Tamanho do texto

Projeto de lei que garante a homossexuais o direito de se casar e adotar crianças deve ser aprovado pelo Parlamento nesta terça

BBC

As denúncias de agressões homofóbicas estão aumentando na França, segundo associações de direitos humanos, em razão dos protestos contra o projeto de lei que garante aos homossexuais o direito de se casar e adotar crianças - que deve ser aprovado definitivamente pelo Parlamento nesta terça-feira (23). 

Mapa Mundi da União Gay - A situação da união gay no mundo 

Manifestantes contra aprovação do casamento gay protestam em Paris, na França
AP
Manifestantes contra aprovação do casamento gay protestam em Paris, na França

O projeto de lei do "casamento para todos", como é chamado o texto, já foi aprovado pela Câmara dos Deputados, pelo Senado e será examinado em uma última leitura pelos deputados.

Em razão de agressões recentes contra homossexuais, a secretaria de Segurança Pública de Paris anunciou na última segunda-feira (22) o reforço policial em bairros da capital que concentram bares gays.

Leia também: Uruguai é o segundo país a aprovar casamento gay na América do Sul

Segundo a SOS Homofobia, entre janeiro e março deste ano, o número de telefonemas de homossexuais que relatam ser vítimas de insultos ou agressões triplicou em relação ao mesmo período do ano passado na França.

A associação recebeu 1,2 mil ligações apenas nos três primeiros meses deste ano, quase o número total ocorrido em 2011, de 1,5 mil queixas registradas pela associação.

"Isso é consequência do clima atual, decorrente das discussões sobre o casamento gay, que encoraja as vítimas a denunciarem as agressões", afirma Elisabeth Ronzier, presidente de SOS Homofobia.

Discurso homofóbico

Nos últimos dias, várias agressões homofóbicas tiveram grande destaque na imprensa francesa.

Dois bares gays, um em Lille, no norte da França, e outro em Bordeaux, no sudoeste, foram atacados por grupos suspeitos de ligação com a extrema direita. Eles destruíram móveis e vitrines dos locais e agrediram clientes e funcionários.

Último Segundo : Protesto contra o casamento gay na França termina em confronto com polícia

Um casal homossexual foi agredido na madrugada do último sábado (20) ao sair de uma discoteca em Nice, no sul do país.

Recentemente, dois casais gays também foram violentamente espancados na rua em Paris. Uma das vítimas, o holandês Wilfred de Bruijn, publicou nas redes sociais a foto de seu rosto coberto de hematomas e sangue.

O ministro do Interior, Manuel Valls, declarou na segunda-feira que os opositores ao casamento gay "liberaram o discurso homofóbico na França". Valls admite ser "incontestável" que os opositores a união entre pessoas do mesmo sexo "são numerosos" na França.

Manifestação nas ruas Paris em apoio a legalização do casamento gay
Getty Images
Manifestação nas ruas Paris em apoio a legalização do casamento gay

Igualdade

"A lei vai permitir que pessoas do mesmo sexo que se amam tenham os mesmos direitos das demais. É uma questão de igualdade entre cidadãos", disse à BBC Brasil Guillaume Bonnet, porta-voz da associação All Out em Paris.

"A lei representa um elemento essencial na luta contra a homofobia. O ressurgimento repentino de violências contra gays na França mostra que devemos continuar mobilizados mesmo após a votação parlamentar", diz.

Veja mais: Bill Clinton pede revogação de lei contra o casamento gay assinada por ele mesmo

Deputados socialistas chegaram a receber cartas com ameaças de mortes. O presidente da Câmara dos Deputados, o socialista Claude Bartolone, recebeu na segunda-feira uma carta contendo pólvora e afirmando que haverá "guerra" se o projeto for adotado.

Adoção

O ponto mais polêmico do projeto e que divide a sociedade francesa é a possibilidade dos casais do mesmo sexo adotarem crianças. Boa parte da população (58%, segundo a última pesquisa do instituto BVA) é favorável ao casamento homossexual, mas a maioria (53%) se opõe ao direito dos homossexuais adotarem crianças.

A principal porta-voz do movimento contrário ao "casamento para todos", a humorista Frigide Barjot – trocadilho com o nome da atriz Brigitte Bardot, que significa literalmente "frígida doida" –, afirma que a lei "ignora os dois pilares da identidade humana: a diferença sexual e a filiação".

"O parentesco biológico não pode ser substituído por um parentesco social", afirma Barjot, que ressalta que seu movimento é pacífico e condena as violências cometidas contra os homossexuais.

Veja mais: No placar do casamento entre pessoas do mesmo sexo, Argentina vence o Brasil

Para o sociólogo Michel Wieviorka , a oposição ao projeto de lei se concentrou na questão da adoção e "se juntou às preocupações ligadas à vida, à morte, à procriação e à filiação, que não são específicas apenas dos meios católicos".

O cientista político Jean-Yves Camus , a crise econômica e social também permite ampliar a contestação, já que para alguns a oposição à lei seria uma forma de protestar de forma geral contra o governo do presidente François Hollande , que registra o mais baixo índice de popularidade de um líder francês em mais de 50 anos.

Várias passeatas contra a lei estão previstas em toda a França após a votação do texto nesta terça.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.