Tamanho do texto

Nesta terça-feira (2), o país legalizou o matrimônio igualitário e passa a ser o segundo país da América Latina, depois da Argentina, a estender para os gays os direitos dos heterossexuais

Astrid Fontenelle, Mônica Martelli e Jean Wyllys nos bastidores do
Instagram/Reprodução
Astrid Fontenelle, Mônica Martelli e Jean Wyllys nos bastidores do "Saia Justa"

A próxima edição do “Saia Justa”, programa de debates feminino do GNT, vai discutir nesta quarta-feira (3) o casamento entre pessoas do mesmo sexo e outros direitos negados à comunidade LGBT. O deputado Jean Wyllys , colunista do iGay, esteve lá para conversar com as jornalistas Astrid Fontenelle e Barbara Gancia e as atrizes Maria Ribeiro e Mônica Martelli. “O ´Saia Justa´ vai tocar nesses assuntos que ainda são, infelizmente, uma saia justa”, diz ele.

“Foi um papo descontraído, elas me interpelavam a todo momento, como é o clima do programa. Foi uma discussão divertida, mas séria”, contou Jean. “Falamos ainda da infeliz declaração da Joelma da banda Calixto e da situação da Comissão dos Direitos Humanos.”

VEJA MAIS: FAMOSOS SE REVOLTAM COM DECLARAÇÃO DE JOELMA CONTRA GAYS

Segundo o deputado, é muito importante discutir todas essas situações, juntar o máximo de opiniões contrárias à permanência do pastor Marco Feliciano na posição de presidente da comissão. “Todas elas, as quatro, repudiaram a presença dele na presidência da comissão. E se pronunciaram a favor de um estado laico, que representa todo mundo e ao mesmo tempo garanta as liberdades individuais.”

O programa vai ao ar pelo canal pago GNT quarta-feira às 21h30.

LEIA A COLUNA DE JEAN WYLLYS NO IGAY

E Jean Wyllys estava eufórico por um acontecimento que se deu no fim da tarde desta terça (2): o matrimônio igualitário foi aprovado no Uruguai. “Por ampla maioria, com apenas oito votos contra”, esclarece ele. O Uruguai estava até agora numa situação similar à do Brasil e dos Estados Unidos com relação ao casamento gay: em alguns estados podia, em outros não. Com a lei federal uruguaia, o país entra na lista como o segundo país da América Latina, ao lado da Argentina, a estender aos homossexuais os mesmos direitos dos casais heterossexuais. Os outros países onde o casamento entre homossexuais é legalizado no país inteiro são África do Sul, Bélgica, Holanda, Dinamarca, Noruega, Canadá, Suécia, Islãndia, Portugal e Espanha. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.