Com a temática "Independente de nossas crenças, nenhuma religião é lei. Todas e todos por um Estado laico", aproximadamente 3 milhões de pessoas se reuniram na capital paulista para celebrar a Parada do Orgulho LGBT

Neste domingo (18) a cidade de São Paulo amanheceu mais colorida do que nunca. Com a temática que faz crítica aos julgamentos religiosos da sociedade ao público homossexual, a 21º Parada do Orgulho LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros), a Parada SP, foi celebrada com o slogan “Independente de nossas crenças, nenhuma religião é lei. Todas e todos por um Estado laico”.

Leia também: Orgulho LGBT: SP é estado com maior número de uniões estáveis homoafetivas

Este ano, a Parada SP irá contar com shows de Anitta, Daniela Mercury e Naiara Azevedo
shutterstock/Reprodução
Este ano, a Parada SP irá contar com shows de Anitta, Daniela Mercury e Naiara Azevedo

A Parada SP  reuniu três milhões de pessoas, segundo os organizadores. A concentração ocorreu às 10h em frente ao Museu de Arte de São Paulo (MASP), na Avenida Paulista, região central da cidade, com um público animado, cheio de carisma, fantasias e decorações. Além da diversão, eles estão em busca do fim do preconceito.

O evento contou com a presença de 19 trios elétricos e a participação das cantoras Anitta, Naiara Azevedo, Daniela Mercury e outras atrações em um percurso de quase 3,5 quilômetros, partindo da avenida mais popular de São Paulo em direção à Rua da Consolação. De lá, as pessoas seguiram até o Vale do Anhangabaú, que teve o show de encerramento com artistas como a cantora Tâmara Angel e outros representantes do movimento LGBT.


E valeu de tudo para participar da festa. A carioca Tamis Mesquita, 19 anos, afirmou que pegou carona em um caminhão para conseguir chegar a tempo da parada. Para ela, o assunto abordado pelo evento a representa. “Fui expulsa de casa por uma mãe muito religiosa há um mês e meio, ela não me aceitou. Estou me sentindo em casa [na parada], precisava vir pra cá, me sentir bem e ver que pessoas que, como eu, passam pela mesma situação.”

Leia também: Parada gay em SP tem cartaz e gritos de 'Fora Temer'

Logística

Os paulistanos que precisaram passar pela Avenida Paulista, tiveram de escolher rotas alternativas, já que ela ficou interditada desde às 10h. A Rua da Consolação também teve bloqueios nos dois sentidos. 

Segurança

A Guarda Civil Metropolitana (GCM) e a Polícia Militar (PM) atuaram na segurança do evento, juntamente à Delegacia de Crimes de Intolerância (Decradi). O trajeto contou com pontos de apoio com atendimento médico, bombeiro, PM e ambulância, além do auxílio do Centro de Operações da Polícia Militar (Copom) através do monitoramento com câmeras de segurança. 

Leia também: Trump anula norma que permitia transgênero escolher banheiro nas escolas dos EUA

Organizada pela Associação da Parada do Orgulho de Gays, Lésbicas, Bissexuais e Transgêneros de São Paulo (APOGLBT/SP) e a Prefeitura de São Paulo, o desfile da Parada SP conta com o patrocínio de instituições e empresas que apoiam a causa, o combate e o fim da discriminação ética por sexo ou gênero. Segundo a prefeitura, o evento deverá movimentar a economia da capital em aproximadamente R$ 45 milhões.

*Com informações da Agência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.