Tamanho do texto

Pesquisa analisou vários aspectos da vida de pessoas LGBT como trabalho, relacionamentos, família e hábitos de consumo; veja o resultado

Para entender um pouco mais sobre a comunidade LGBT brasileira, a empresa de consultoria europeia OutNow fez uma pesquisa em que detalhou aspectos como trabalho, relacionamento, família e hábitos de consumo de suas vidas. Um dos dados que chamou mais atenção foi o de que 73% dos entrevistados disseram ter testemunhado atos de homofobia no local de trabalho durante o último ano. 

Leia também: Após 40 anos, ele decide acabar com vida dupla e se assumir trans 

Pesquisa mostra que ainda há homofobia no local de trabalho
shutterstock
Pesquisa mostra que ainda há homofobia no local de trabalho

De acordo com a pesquisa, 58% dos entrevistados estão dentro do mercado de trabalho, devidamente empregados em turno integral; 34% recebem salários entre R$ 1.000 e R$ 2.500; 2% ganham mais de R$ 10 mil reais. Além disso, 19% das pessoas ainda não são assumidas para ninguém do trabalho enquanto 36% das pessoas são assumidas para todos. Os outros 45% são assumidos para algumas pessoas do  trabalho.  

O preconceito ainda é muito marcante no ambiente corporativo, com quase três em cada quatro entrevistados (73%) dizendo que testemunharam atos de homofobia no local durante o último ano.  58% dos entrevistados disseram que presenciam este fato ocasionalmente enquanto 24% dos entrevistados "vêem ou ouvem regularmente linguagem ou atitudes homofóbicas” durante o período de trabalho. 5% dos entrevistados disseram que "há problemas frequentes com homofobia no trabalho".

A pesquisa

Os dados fazem parte do estudo “Brazil 2017 Report – Out Now Global LGBT2030 Study”, o primeiro de uma série chamada LGBT 2030, considerada a maior pesquisa global do mundo sobre o assunto e que o abordará em 20 países.  A amostragem foi realizada entre junho e julho de 2017, pela internet, com 4.018 pessoas.

"O Brasil abriga uma das maiores e mais dinâmicas comunidades LGBT do mundo. Neste relatório, deixamos claro que os resultados não podem representar as experiências de cada indivíduo dos mais de 9,5 milhões de adultos brasileiros que são LGBT”, diz a introdução do estudo. "Pessoas LGBT são encontradas em todas as partes da sociedade - e as experiências individuais de uma pessoa LGBT podem ser específicas para este indivíduo. Mas este relatório revela uma grande diversidade de experiências da comunidade LGBT brasileira".

Os pesquisadores fazem questão de dizer que, por causa da dificuldade de várias pessoas de se assumirem - embora muitas se sintam seguras em responder pesquisas anonimamente - é impossível fazer um "censo LGBT". "Nem mesmo uma pesquisa online pode atingir o status de um censo, pois não é obrigatória e, embora a penetração da internet seja mais alta agora no Brasil do que anteriormente (cerca de 65%), uma pessoa LGBT em cada três ainda não está incluída digitalmente e o relatório deixa claro este fato", reforça a Out Now.

Os dados do relatório foram ponderados para refletir a seguinte distribuição: 49,5% de homens, 49,5% de mulheres e 1% de respondentes intersexuais. Veja mais dados abaixo:

Agressões e assédio

A comunidade LGBT alcançou muitas melhoras nas últimas décadas. No entanto, o estudo LGBT 2030 mostra que continua a ter problemas significativos em suas vidas cotidianas, como no trabalho, com vizinhos, em lojas e outros aspectos da sociedade. Um dos fatores mais preocupantes é o grande número de entrevistados que relatou ter sofrido assédio verbal durante o último ano. Mais da metade (56%) disse ter passado por isso por ser LGBT. Isso implica que 5,3 milhões de pessoas LGBT foram assediadas verbalmente nos últimos 12 meses.

Leia também: Ilustrações de jovem trans são censuradas por escola e caso tem reviravolta

Algumas agressões ultrapassaram a parte verbal e se tornaram físicas. Cerca de 7% dos entrevistados disse ter sido agredido fisicamente porque alguém percebeu que eles eral LGBT. Se isso for ampliado a todas as pessoas LGBT no Brasil, equivale a 667.500 pessoas sendo atacadas fisicamente pela orientação sexual ou identidade de gênero.

Outros dados mostram que 18% (1,7 milhão pessoas) sofreram assédio de vizinhos no ano passado e um em cada quatro entrevistados (25,0%) foram assediados no trabalho. Além disso, 13% dos entrevistados disseram que foram proibidos de consumir bens ou serviços por serem LGBT.

Relacionamento e família

Pessoas LGBT também têm vontade de ter uma relação e começar uma família. Mais da metade de todos os entrevistados (53%) está atualmente em um relacionamento. A maioria dos entrevistados (73%) gostaria de se casar ou ter uma união civil em algum momento de sua vida e mais da metade (55%) gostaria de ter filhos em algum momento da vida.

55% dos entrevistados disseram que gostariam de ter filhos em algum momento
shutterstock
55% dos entrevistados disseram que gostariam de ter filhos em algum momento

Mas alguns (8%) já realizaram o sonho de serem pais, com 6% dizendo que têm filhos que vivem com eles em casa. Além disso, a pesquisa também mostrou que mulheres têm mais filhos do que os homens, e uma em cada dez (10%) entrevistadas já são mães que vivem com os filhos em casa, enquanto mais 2% têm filhos vivendo em outro lugar.

Leia também: Estudo mostra que ansiedade é mais frequente em pessoas LGBT

Consumo

Segundo os pesquisadores, não é possível afirmar que os consumidores LGBT ganham e gastam mais ou menos do que a média geral. Os entrevistados exibem altos níveis de despesas e intenções de compra em uma ampla gama de categorias de produtos e serviços. Os pesquisadores afirmam que os entrevistados gastam em média  R$ 418,00 com roupas; R$ 274 com perfumaria e higiene; R$ 131 com cabelo e procedimentos de beleza; R$ 157 com tratamentos estéticos e R$ 242 com sapatos.

Leia também: Muçulmanos aceitam mais homossexualidade do que evangélicos, diz estudo

As pessoas LGBT impulsionam boa parte da economia com seus hábitos de consumo,  apesar da discriminação e assédio sofrida com frequencia. A média de viagens, por exemplo, chega a R$ 3690 reais por ano e um em cada três entrevistados (33%) considera eventos culturais LGBT fator importante ao escolher um destino de viagem de lazer.

Tecnologia

Os dados revelam uma alta propensão ao consumo de tecnologia e itens relacionados. A maioria dos entrevistados (78,7%) gasta pelo menos 6 horas por dia online enquanto 50,6% passam 12 horas ou mais por dia conectados na internet; 4,8 milhões têm acesso à internet
alta velocidade e 2,7 milhões tem um laptop com Windows; 515 mil já possuem um laptop Apple e outros 744 mil querem comprar um nos próximos 12 meses.

A pesquisa também mostra que 1,9 milhões têm um tablet, 1,3 milhão tem um iPhone e 743,000 querem comprar um no próximo ano; 1,9 milhões têm um Samsung Galaxy. Contas de telefone celular (incluindo dados, voze textos) é de R $ 4,5 bilhões.