Para lutar contra os padrões impostos a mulheres e homens, as namoradas Paola e Larissa criaram uma loja de roupas sem gênero

Quem inventou que homens não podem usar vestidos e que mulheres precisam se vestir de um modo “feminino”? Não é sempre que nos identificamos com o jeito de vestir imposto por causa de nosso gênero. Buscando lutar contra esses estereótipos, Paola Penna e a namorada Larissa Rodrigues decidiram abrir a própria loja online de roupas sem gênero.

Leia também: Organização LGBT faz campanha para pedir gênero "X" em passaporte

Paola e Larissa decidiram criar uma loja de roupas que não são direcionadas a um só gênero
Reprodução/Instagram/ulevus
Paola e Larissa decidiram criar uma loja de roupas que não são direcionadas a um só gênero

As roupas sem gênero quebram um estereótipo de como homens e mulheres devem se vestir, uma vez que não são direcionadas a nenhum específico (masculino ou feminino). A ideia de abrir uma loja de roupas sem gênero surgiu quando a Paola e a Larissa perceberam que não se encaixavam em um padrão de feminilidade e não conseguiam encontrar lojas que quebrasse esse estereótipo.

Leia também: Criança canadense é registrada sem gênero definido

Seguindo essa vontade de fazer peças para ambos os gêneros, elas buscam neutralizar uma possível diferença corporal entre homens e mulheres. “Nem toda mulher tem corpo 'feminino' e nem todo homem tem corpo 'masculino'", explica Paola.

Como o público-alvo são jovens que fogem dos estereótipos, a loja teve mais respostas positivas do que negativas. Mas, apesar disso, algumas pessoas ainda sentem dificuldade em entender a proposta das duas. “Os tradicionais ainda têm a rigidez de compreender críticas feministas e de identidade de gênero”, diz Paola. “Há um preconceito imenso em torno dessas questões, mas acredito que o cenário está mudando”.

Leia também: Cinco coisas que não te fazem ser menos bissexual ou queer

Azul x Rosa

De acordo com Paola, as cores não estão ligadas ao gênero e, quando elas criam uma peça de roupa rosa, isso não significa que ela foi feita para uma mulher vestir. “Essa divisão de cores entre os sexos vem de um discurso sexista”, afirma.

Mas, apesar de rosa ser atribuído a mulheres e azul para homens, as mulheres costumam usar peças azuis sem receberem muitas críticas. Quando se trata dos homens, utilizar uma camisa ou uma calça rosa ainda é algo que gera piada. “Na concepção de um machista, isso inferioriza ele como homem e o categoriza como ‘feminino’”, explica Paola.

A ideia da dupla é quebrar estereótipos e dar mais liberdade quando o assunto é escolher roupas e estilos. Para elas, abrir uma loja foi uma maneira de desafiar os padrões impostos e ver transformações na sociedade. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.