De acordo com a presidente da ONG Rede Trans Brasil, Tathiane Araújo, número faz do Brasil um dos campões de mortes de pessoas trans no mundo

Manifesto realizado na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, lembra as vítimas da transfobia no Brasil
Tomaz Silva/Agência Brasil 29.01.2017
Manifesto realizado na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, lembra as vítimas da transfobia no Brasil

Em fevereiro de 2016, a travesti conhecida por Cicarelli, de 36 anos, foi morta de forma cruel em João Pessoa, na Paraíba. Foram mais de 20 facadas, além de pedradas e uma orelha decepada em uma disputa de traficantes por um ponto de drogas na capital paraibana.

LEIA MAIS: 'Há meninas com pênis e meninos com vaginas': polêmica campanha sobre trans

No Dia da Visibilidade Trans, comemorado neste domingo (29), Cicarelli foi uma das pessoas trans lembradas em uma manifestação na Praia de Copacabana, zona sul do Rio de Janeiro. Foram fincadas na areia 144 cruzes pretas, uma para cada transexual ou travesti mortas no ano passado por causa do preconceito em todo o país. O levantamento foi feito pela ONG (Organização Não Governamental) Rede Trans Brasil.

O número, de acordo com a presidente da ONG, Tathiane Araújo, faz do Brasil um dos campões de mortes de pessoas trans no mundo. Segundo ela, os assassinatos refletem a vulnerabilidade para onde essas pessoas são empurradas. A exclusão, explica, começa em casa, quando pais se recusam reconhecer a identidade de alguém que não se identifica com o sexo designado ao nascer.

“A família fecha a porta, a escola fecha a porta em uma época crucial da vida, que é a adolescência, aí a pessoa tem dificuldade de encontrar trabalho isso vira um problema social. Precisamos visibilizar que a exclusão é o nosso principal fator de risco”, afirmou Tathiane, que também apontou a falta de políticas públicas para inclusão desse grupo.

LEIA MAIS: Comemorando 21 anos de união, casal publica declaração linda e quebra a internet

À margem, as pessoas trans convivem permanentemente com medo de morrer ou de ser vítima de “estupros corretivos”, muitos em banheiros, explica Adriana Rodriguez Souza, coordenadora da Rede Trans, no Rio. “O machismo não aceita o 'não' de um homem trans, de uma lésbica, que acabam estuprados e mortos”. Outra luta das pessoas trans, segundo Adriana, é pelo uso do banheiro compatível com o gênero e o nome social.

Mortes

Foram fincadas na areia 144 cruzes pretas, uma para cada transexual ou travesti mortas no ano passado
Tomaz Silva/Agência Brasil 29.01.2017
Foram fincadas na areia 144 cruzes pretas, uma para cada transexual ou travesti mortas no ano passado

A Rede Trans Brasil vai divulgar seu relatório com número de vítimas de transfobia completo nesta segunda-feira (30). O documento vai conter ainda informações sobre circunstâncias das mortes e recomendações ao Poder Público. O texto também será entregue à Organização dos Estados Americanos (OEA).

O levantamento foi feito com base em notícias de jornais e casos apurados pela organização. A coordenadora-geral de Promoção dos Direitos de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais da Secretaria Nacional de Direitos Humanos, Marina Reidel, reconheceu que o Brasil ainda não é um país seguro para pessoas trans e disse que o governo tem o Disque 100 para receber denúncias. No entanto, segundo Marina, acabar com a violência passa pela educação, questão que tem esbarrado nos legislativos.

LEIA MAIS: Retrospectiva: veja quais foram as principais conquistas LGBT em 2016

“A violência é uma questão cultural. Eu, como professora que sou, reconheço que a educação precisa ser repensada nesse aspecto, mas no ano passado e retrasado, tivemos uma grande dificuldade de dialogar com os legislativos e ficou de fora dos planos de educação a questão de gênero”. Marina, que é uma mulher trans, também avalia que faltam serviços para a população nos estados e municípios.

*Com informações da Agência Brasil