Arthur, 4 anos, sofreu bullying dos amigos porque foi para a escola de unhas pintadas. Atitude do pai é contestada, mas ele se defende: meu filho não vai ser criado com preconceito

Onde outros pais veriam uma luz vermelha se acendendo, Thiago Moreira, 27, viu uma brincadeira de criança. O recepcionista postou uma foto em sua página no Facebook mostrando as unhas da mão cobertas de esmalte colorido. Tudo começou porque o filho Arthur, de 4 anos, via a mãe pintando as unhas e queria fazer o mesmo. "Ele sempre gostou, desde que se interessou pelas cores", conta Moreira.

SIGA O IGAY NO FACEBOOK

O menino passou a ir à escola com esmalte nas unhas. Recentemente, outras crianças começaram a fazer bullying, dizendo que ele estava parecendo uma "menininha". "Assim que ele nos contou do ocorrido, já começamos a trabalhar essa questão de que não existe essa separação de cores, que elas são pra todos", diz o recepcionista.

Como resposta, o pai pediu para o filho escolher uma cor e pintou as suas próprias unhas. A cor escolhida foi a da foto acima, postada no perfil de Thiago no Facebook. Desde então, Moreira leva e busca a criança na escola com as unhas pintadas pelo menino.

O pai conta que recebeu uma grande quantidade de mensagens de apoio e desabafos de adolescentes que lamentavam não ter um ambiente familiar aberto ao diálogo como o de sua família.

Pelo Facebook, também surgiram comentários negativos, desde pessoas que disseram que os pais estariam influenciando a homossexualidade da criança até alguns que ameaçaram fazer uma denúncia ao Ministério Público. No depoimento publicado no Facebook, Moreira conta uma conversa que teve em seu local de trabalho, recebendo críticas.

Leia um trecho do depoimento:

Não vou privar meu filho das cores porque outros pais ensinam seus filhos a ter preconceitos

Hoje no trabalho - pra quem não sabe, trabalho como recepcionista em uma pousada - um guia turístico veio buscar um de nossos hóspedes para um passeio e, assim que entrou na pousada, uma das primeiras coisas que ele notou foi:

- Você pinta a unha?

Contei pra ele a história e ele imediatamente fez questão de dar sua opinião a respeito:

- Mas você não acha que é prejudicial pro seu filho?

- Não, não acho. Por que seria? Ele é uma criança, ele não sabe preconceitos, não ensinamos isso em casa.

- Ah, mas pensa bem. Se você pinta a unha dele, VOCÊ tá contribuindo pra que ele seja alvo de bullying na escola... [...] Quando tiver com ele em casa e ele quiser pintar a unha, pegue uma base, sei lá, e diga "olha, filho, esse aqui é o esmalte do papai, esse aqui você pode passar que ninguém na escolinha vai rir de você.

- Hei, mas a graça pra ele está JUSTAMENTE nas cores, ele gosta das cores, nós não vemos problema nenhum com isso e eu não irei privá-lo das cores porque outros pais ensinam seus filhos a ter preconceitos.

Após perguntar minha idade ele emenda:

- Eu tenho uma filha de 20 anos, ela nunca namorou e ela gosta dessas coisas mais Heavy Metal, mas se eu vejo ela usando uma bota de HOMEM eu digo "Filha, não tá legal"... [...] Veja só, vocês são novos, não sejam tão liberais, hoje você pinta a unha dele, amanhã ele pode querer usar uma calcinha e se um dia ele chega de mãos dadas com um "coleguinha" na sua casa?

- Meu! PELAMOR! Ele gostar agora de pintar as unhas não interfere na sua sexualidade!

- Você acha que não?

Se no futuro ele se descobrir gay, poderá contar com todo nosso apoio, pois somos seus pais. No momento ele é só uma criança que não tem preconceitos e nem é criada com eles

- ÓBVIO que não! Se no futuro ele SE DESCOBRIR gay, se no futuro ele chegar de mãos dadas com um "coleguinha", se no futuro ele quiser / gostar de usar calcinha, ele saberá que poderá contar com todo nosso apoio, pois somos seus pais e isso jamais deixaremos de ser. No mais, ele no momento é só uma criança que não tem preconceitos e nem é criada com eles.

Aí o hóspede chegou e acabou a conversa.

Bom dia.

P.S: Vai ter unha das mãos pintadas pelo filho SIM e se reclamar pinto as dos pés também.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.