Deputado tem sido alvo de notas de repúdio e protestos de gays, lésbicas, bissexuais, transexuais e travestis pelo Brasil


A comunidade LGBT realizou mais uma manifestação contra Eduardo Cunha (PMDB-RJ) nesta sexta-feira (10). O deputado esteve na Assembleia Legislativa do Estado da Paraíba, em João Pessoa. Recentemente, o político recebeu atos de repúdio em suas passagens por São Paulo e Porto Alegre.

Além do movimento LGBT, participaram membros da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST).

A concentração teve início às 8h da manhã no Pavilhão do Chá, em João Pessoa.  Logo depois, os grupos seguiram para a Assembleia Legislativa, onde encontraram as portas fechadas.

"Foi uma surpresa quando descobrimos que a Assembleia estava fechada à população. Houve quebra de uma porta e o movimento conseguiu entrar e ocupar duas galerias da assembleia", conta o administrador Felipe Furini Soares, 30.

Com cartazes e gritos de "Fora, Cunha", "homofóbico" e "machista", os manifestantes usaram apitos para impedir que o deputado conseguisse falar. Ele se retirou por volta das 11h da manhã sem proferir seu discurso. 

"Fomos contra a vinda do deputado Eduardo Cunha a João Pessoa tendo em vista o retrocessso que ele representa na política para todos os movimentos sociais. Ele é homofóbico, conservador e machista", diz a estudante Elida Lima, 25, membro do Levante Popular da Juventude.

SIGA O IGAY NO FACEBOOK

O Movimento Espírito Lilás, um dos representantes da comunidade LGBT na Paraíba, publicou uma nota de repúdio ao deputado nesta quinta-feira (9), criticando declarações polêmicas como a "cura gay", o "Dia do Orgulho Hétero" e o "Estatuto da Família" (leia mais abaixo).

Eduardo Cunha visita o Hospital Napoleão Laureano
Reprodução/Twitter
Eduardo Cunha visita o Hospital Napoleão Laureano

Seguranças do local tentaram barrar os manifestantes. Em sua página do Twitter, Cunha atribuiu a confusão ao PT e chamou de "lamentáveis as agressões promovidas pelo partido". Na rede social, o deputado afirmou ainda que um militante da juventude do PMDB foi "covardemente agredido" na Assembleia Legislativa.

"Foi um movimento não partidário. Cunha quis descaracterizar o movimento [ao envolver o PT]", diz o professor da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Roberto Rondon, 48.

Em sua passagem por João Pessoa, Cunha visitou também o Hospital Napoleão Laureano, como parte do programa Câmara Itinerante.

Leia um trecho da nota de repúdio publicada pelo Movimento Espírito Lílas

O Movimento LGBT da Paraíba e suas entidades parceiras veem a público manifestar seu mais veemente repúdio as atitudes do Presidente da Câmara, Deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), dentre elas as de desarquivar projetos que instituem a "cura Gay", o "Dia do Orgulho hétero", e o "Estatuto da Família".

Movimento Espírito Lílas em manifestação contra o 'Estatuto do Nascituro', em março
Reprodução/Facebook
Movimento Espírito Lílas em manifestação contra o 'Estatuto do Nascituro', em março

Tais projetos se caracterizam como tentativas claras de institucionalizar o preconceito e a discriminação em razão da orientação sexual e/ou a identidade de gênero, além de violarem frontalmente o princípio constitucional da dignidade da pessoa humana, a democracia brasileira e a luta histórica pela igualdade substancial.

O Legislativo deve em harmonia com os demais Poderes, zelar pelo cumprimento das prerrogativas perante a sociedade, respeitar e garantir os direitos e conquistas da população brasileira. O presidente da Câmara dxs Deputadxs tem utilizado o cargo para legislar segundo suas convicções pessoais de cunho fundamentalista, sob a justificativa de que heterossexuais sofrem discriminação em virtude de sua orientação sexual.

Cunha ainda ignora a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que, de forma unânime, reconheceu o casamento igualitário entre pessoas do mesmo sexo. Segundo Cunha, só deve adotar uma criança casais heterossexuais, preferindo que mais crianças continuem no orfanato esperando por uma família.

Em suas afirmações machistas, sexistas, homofóbicas, limitadoras das liberdades e dos direitos individuais, o mencionado deputado defende que a criminalização do preconceito e da discriminação em razão da orientação sexual e/ou das identidades de gêneros que destoam dos "padrões" fixados por uma suposta normalidade, a descriminalização do aborto, a regulamentação da mídia, não vão tramitar na Casa durante seu mandato.

    Leia tudo sobre: Eduardo Cunha
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.