"No silêncio das palavras escondidas", da companhia Ciabatta de Teatro, discute preconceito e dificuldade de se assumir, assim como angústias que todos sofrem, como perda e solidão

"No silêncio das palavras escondidas", em cartaz no Teatro Studio Heleny Guariba, na Praça Roosevelt, todo sábado até o dia 25 de abril, busca mostrar o universo LGBT com lirismo e de forma lúdica. Veja imagens dos atores em cena:


"Alguém”, interpretado por Wesley Vieira, espera o amor todos os dias numa velha estação de trem. O personagem sempre leva consigo uma maleta com livros e se relaciona com oito pessoas diferentes: um travesti, um assassino, um mágico, uma cartomante, entre outras.

SIGA O IGAY NO FACEBOOK

Nem tudo é ludismo na peça. A ideia é mostrar problemas comuns às pessoas LGBT, como o preconceito e a dificuldade de se assumir, além dos percalços que qualquer pessoa pode enfrentar, como a solidão e a perda.

"Alguém" conta sobre sua vida e sua busca por um amor nunca vivido. Homossexual, divide com a plateia o preconceito vindo de pessoas que acham sua condição "pecaminosa" ou "não natural".

A cada espetáculo, um autor diferente é homenageado, numa lista de escritores célebres: Oscar Wilde, Tennessee Williams, Rimbaud, Gabriel Garcia Lorca, Virginia Wolf, André Gide, Caio Fernando Abreu e Thomas Mann.

A trilha sonora tem base em compositores gays, como Cazuza e Renato Russo. A cada apresentação, um convidado especial narra o final da cena. O elenco também faz um revezamento de seus personagens, oferecendo múltiplas propostas de atuação.

Antes de começar o espetáculo, um cantor convidado, também diferente a cada semana,
apresenta um número musical com canções relacionada à trama da peça.


"No silêncio das palavras escondidas"
Texto e direção: Marcos Lopes
Temporada de março a abril, às 20h30
Apresentações aos sábados: 7, 14, 21 e 28 de março; 4, 11, 18 e 25 de abril
Ingressos: R$ 40,00 e R$ 20,00 (meia)
Teatro Studio 184 Heleny Guariba: Praça Roosevelt, 184, Metrô República
70 lugares
Duração: 90 minutos
Recomendação: 12 anos
Acesso para deficiente

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.