Papa convidou grupo que defende direitos de católicos LGBTs, mas não os anunciou durante sua audiência geral

Freira Jeannine Gramick (esq.) e Francis DeBernardo, diretor executivo do grupo New Ways Ministry, que defende os direitos dos LGBTs católicos
AP
Freira Jeannine Gramick (esq.) e Francis DeBernardo, diretor executivo do grupo New Ways Ministry, que defende os direitos dos LGBTs católicos

Um grupo de católicos LGBTs recebeu assentos VIPs na audiência geral semanal do papa Francisco na última quarta-feira (11), no Vaticano. Esta foi a primeira vez que gays e lésbicas foram convidados oficiais do evento.

A recepção, no entanto, foi bastante discreta e passou despercebida por quem acompanhava a audiência. Isso porque, na lista de convidados, os peregrinos do 'New Ways Ministry' só foram identificados como "um grupo de leigos acompanhado por uma Irmã de Loretto".

Como se não bastasse isso, eles também não foram anunciados pelo monsenhor do Vaticano que lê a lista de peregrinos convidados que compareceram à Praça de São Pedro. O próprio papa também não os mencionou durante seu discurso.

Mesmo assim, os oficiais do New Ways Ministry disseram que estavam lisonjeados pelo convite para se sentarem nas primeiras fileiras da audiência.

Em entrevista à agência de notícias The Associated Press, Jeannine Gramick, freira do New Ways Ministry que ministra para LGBTs, disse que a atitude do pontífice dá esperança para os católicos excluídos. "Para mim, este é um exemplo do tipo de boa vontade que ele tem em receber aqueles que estão no canto da igreja de volta para o centro da igreja."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.