Qual a diferença entre transgênero e transexual? Se perceber trans é igual a se perceber gay? Se assumir como trans é como sair do armário como gay? Com consultoria da psicanalista Letícia Lanz, o iGay esclarece algumas dúvidas comuns

Pode um homem, pai de três, aos 70 e tantos anos, “decidir” virar mulher? Pode. Assim como, em outro caso completamente diferente, uma criança descobre na infância que sua identidade de gênero é diversa daquela do sexo definido no seu nascimento. Como qualquer ser humano que habita este planeta, cada caso é um caso.

Transexuais são transgêneros que fazem a transição de gênero, com ou sem a cirurgia de readequação genital. Travestis são transgêneros que, tradicionalmente, no Brasil, modificam seu corpo com o objetivo de atuar na indústria do sexo, mas em geral não fazem a cirurgia de readequação genital: o silicone dos seios convive com o órgão sexual masculino e elas estão felizes assim. Drag queens são homens que gostam de se "montar" como mulher em algumas ocasiões, como animar festas e atuar como hostesses em clubes LGBTs. Elas quase sempre são gays, e quase nunca querem ser mulheres em tempo integral.

Até aqui tudo certo? Então vamos avançar nessa conversa citando 12 dúvidas comuns sobre as pessoas transgêneras.

Léa T. é uma transexual brasileira que faz sucesso na indústria da moda
Reprodução
Léa T. é uma transexual brasileira que faz sucesso na indústria da moda

Transgênero é uma identidade sexual

Não. Transgênero não é uma identidade, mas uma condição sociopolítica de desvio das duas categorias oficialmente aceitas: homem e mulher. Transexual, travesti e drag queen estão sob o leque de pessoas transgêneras.

A classificação “o” transgênero serve para mulheres e homens

Não. Questão importante de tratamento e estilo: use sempre formas neutras, como “a” pessoa trans. Quando se diz “o” trans, está se referindo apenas aos transgêneros FtM (Female to Male, ou seja, transhomens). Travestis são "as", assim como as drag queens. (Mulheres que se vestem eventualmente de homem são "os" drag kings)

A adolescente transexual americana Leelah Alcorn se suicidou em 28 de dezembro e deixou carta de despedida: 'Consertem a sociedade'
Reprodução
A adolescente transexual americana Leelah Alcorn se suicidou em 28 de dezembro e deixou carta de despedida: 'Consertem a sociedade'

Se perceber trans é a mesma experiência de se descobrir homossexual

Não. A homossexualidade implica basicamente em atração por pessoas do mesmo sexo, com o desejo erótico e/ou afetivo por alguém do mesmo sexo. A transgeneridade é um caminho bastante diverso pois diz respeito à manifestação da identidade e expressão de gênero autopercebida. A sexualidade, que é o ponto central da homossexualidade, é apenas um aspecto da transgeneridade. Um traço que não abandona o transgênero é a vontade de se travestir.

Arrumar um emprego é a mesma experiência para um gay e para um transgênero

Não. Se você é gay e não é muito "pintoso", pode sempre omitir o fato. Ou mesmo que você seja um tanto feminilizado (ou masculinizado) e optar por não mencionar a sua homossexualidade, talvez não venha ao caso. Entre os transgêneros, qualquer checagem durante o processo de contratação vai levar à descoberta da transgeneridade do pretendente. Depois de completar a transição para outro gênero, pode ficar ainda mais difícil conseguir um emprego.

Para os transgêneros, namorar é uma experiência similar à dos gays

Não. Para os transgêneros, namorar é uma experiência única. Primeiro, você tem de decidir quando contar a sua história. E, depois, você terá uma longa história para contar sobre sua transição: quando, como, onde. As reações podem ser diversas, até, em alguns casos, violentas. Ou, em outros casos, humilhantes.

A beleza das mulheres transgênero não se encaixa exatamente na noção de beleza feminina. Os homens que se sentem atraídos por mulheres trans muitas vezes estão interessados em explorar um fetiche e não em se envolver em um relacionamento.

Para as mulheres transgênero que namoram mulheres é ainda mais difícil: as lésbicas muitas vezes recusam uma relação dizendo: "Eu gosto de mulheres, e você não é uma mulher."

Em muitos casos, apenas um transgênero pode amar uma outra pessoa transgênera.

Ser trans é igual em qualquer lugar

Pelo contrário: ser trans é muito diferente de lugar para lugar. Se você comparar um transgênero que vive nos Estados Unidos, em um estado como a Califórnia, onde a população trans tem total reconhecimento em todos os níveis, e inclusive planos de saúde específicos, com um lugar onde as pessoas trans ainda estão tendo problema para mudar de nome, é fácil perceber que alguns países estão ainda na pré-história dos direitos LGBT.

Num ambiente profissional, as relações serão cordiais

Quase nunca. Algumas carreiras mais liberais têm espaço para os transgêneros e a experiência de trabalhar nesses ambientes é muito diferente de ocupar uma posição em algum ramo mais conservador, que não tem proximidade com os LGBTs.

A pessoa trans tem de ir com calma: antes de tentar se aproximar dos colegas, ir testando quais deles oferecem abertura para uma amizade. Não adianta já chegar mostrando fotos do parceiro e dos filhos, isso pode assustar.

As pessoas entendem a diferença entre drag queen e transexual

Nem sempre. A diferença é bastante óbvia para quem tem um mínimo de conhecimento de um ou outro, ou dos dois, mas, para a grande maioria das pessoas, é confuso. As duas são categorias debaixo do guarda-chuva transgênero. Drags, como já vimos, são homens, quase sempre gays, que se vestem de mulher em algumas situações. A pessoa transexual se identifica com o sexo oposto e quer fazer, ou já fez, a transição. 

Tendo feito a transição de gênero, as pessoas transexuais querem ser aceitas como mulher ou homem

Não necessariamente. Alguns sim, quando têm a aparência muito feminina ou masculina e não levantam suspeitas, preferem viver como mulheres e homens e deixam para contar que são transgêneros apenas na intimidade, em relações próximas de amizade ou quando estão prestes a se envolver romanticamente com alguém. 

Outros transgêneros se identificam como transgêneros mesmo, como mulher transgênero ou como homem transgênero. Essa é a identidade deles.

Seja qual for o caso, você tem de respeitar. Preste atenção para não colocar um rótulo que eles não querem carregar.

Tenho interesse autêntico por transgêneros, posso perguntar o que eu quiser saber?

Não. Por mais legítimo e respeitoso que seja o seu interesse, nem todo mundo está disposto a discutir questões íntimas com você. Espere ter alguém que se sente à vontade para responder antes de fazer perguntas que podem aborrecer os trans, como: "Você fez a cirurgia?" 

Sair do armário como trans é uma experiência igual a se assumir homossexual

Não. É muito diferente. Muitas vezes as famílias que estariam preparadas para aceitar um filho gay não estão preparadas para ver o filho transformar-se numa mulher, ou a filha transformar-se num homem. Grande parte das transições acontecem longe de casa, longe dos olhos das mães. Por isso acontecem tantos casos de mulheres trans que são enterradas como homens. As famílias se distanciaram delas e, na hora da morte, recebem um corpo de mulher para enterrar. A família não sabe, os vizinhos não sabem. Cortar o cabelo delas, vestir um terno e as enterrar como homem é a opção das famílias.  

Uma pessoa trans que toma hormônio na adolescência para bloquear a puberdade não precisa mais usar hormônio

Não. Como toda dosagem hormonal, vai depender essencialmente da fisiologia própria de cada pessoa. Provavelmente os bloqueadores de andrógenos deixam de ser necessários depois de algum tempo. Mas como o organismo macho não produz estrogênio, e a produção de testosterona foi definitivamente inibida, a pessoa terá sim de usar hormônios femininos para o resto da vida.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.