Criado na periferia de Taboão da Serra (SP), Rico Dalasam, 25 anos, o único rapper assumido do Brasil, precisou de coragem para sair do armário e seguir o seu sonho

Rico Dalasam
Divulgação/Henrique Grandi
Rico Dalasam

Assumir ser homossexual não é processo fácil para ninguém - o medo da reação da família, dos amigos e de ser discriminado pela sociedade assombra a todos, e faz com que muitos LGBTs vivam no escuro do armário a vida toda. Imagine o tanto de coragem que é preciso ter para se assumir gay sendo da periferia, negro e com o sonho de ser rapper e brilhar? Por sua determinação, o talento do paulista Rico Dalasam  se destaca especialmente no cenário musical brasileiro.

SIGA O IGAY NO FACEBOOK

Foi na periferia de Taboão da Serra que Dalasam, aos 5 anos de idade, teve seu primeiro contato com o Rap. Ele decorou a música 'Homem na Estrada', dos Racionais MC's , que tocava na rádio de pagode que costumava ouvir. Mas somente em 2002 começou a rabiscar as primeiras letras de suas canções, frequentando as batalhas de MC do metrô Santa Cruz.

Rapper gay Le1f chacoalha universo do rap

rico dalasam
Divulgação/Henrique Grandi
rico dalasam

"O rap chegou para mim antes de existirem esses pensamentos e ideias sobre exclusão, mas sentir isso já faz parte de nós, negros da periferia, em relação a quem é diferente. Isso até criarmos capacidade de articular e nos posicionar com autoestima pelas ruas. E ser gay é o peso 2 dessa equação, que ainda dá negativo", conta Rico ao iGay .

Antes de ganhar visibilidade no mundo da música, Dalasam já sofria discriminação em seu bairro. Desde os 14 anos trabalhando como cabeleireiro e produtor de moda - profissões tradicionalmente associadas à homossexualidade -, ele teve de lidar com o preconceito dos vizinhos e da igreja evangélica que frequentava.

Diferente de várias casas que a gente vê por aí, minha família preferiu me amar e me ajudar na carreira, cada um a seu modo

"Sempre sofri descriminação no meu bairro, mesmo que todos não soubessem que eu era homossexual", conta. Em casa, o caçula de 5 irmãos não teve dificuldade para se assumir. Sua irmã mais velha é gay e casada há muito tempo, então isso facilitou a aceitação da família. "Diferente de várias casas que a gente vê por aí, eles preferiram me amar e me ajudar na carreira, cada um a seu modo".

Hoje, aos 25 anos, Dalasam conta que um dos seus sonhos é tratar de suas experiências amorosas e relacionamentos por meio da música, e considera importante falar sobre diversidade sexual no Rap. A letra da música "Roda Gigante", que escreveu a convite do produtor Tico Pro , é um bom exemplo disso.

"Fiquei um tempão evitando encontrar um cara de que eu gostava, mas que era passado. Até que um dia eu estava andando de skate e reencontrei o tal cara. Foi inevitável que, após passar mal e tudo o mais, eu não tivesse uma história para transformar em rimas e canção", diz ele.

Apesar de falar abertamente sobre seus relacionamentos, o rapper confessa que ainda existe muito preconceito dentro da própria comunidade LGBT, principalmente contra gays negros e da periferia. 

"Em agosto estive em uma festa do orgulho negro gay em Nova York (EUA), o que despertou ainda mais meu questionamento sobre essa 'terceira divisão' de minorias. Eu já abordava esse assunto com um amigo daqui, negro e gay, sobre onde estariam os gays negros do Brasil, porque nas festas eram sempre os mesmos, que contávamos nos dedos", observa.

Eu questionava um amigo, negro e gay, sobre onde estariam os gays negros do Brasil, porque nas festas eram sempre os mesmos, que contávamos nos dedos

Apesar de ser o único rapper brasileiro assumidamente gay e de querer incluir os LGBTs nesse gênero de música, Dalasam almeja alcançar a todos os públicos. "Se essa moçada [gay da periferia] se identificar com a mensagem, será um grande encontro entre nós e poderemos fazer muito unindo nossas forças. Mas a ideia é fazer música boa que entre na casa de todo mundo", diz.

Entre os artistas brasileiros que mais admira, Dalasam destaca Emilio Santiago, Olodum e Seu Jorge. Entre os gringos, ele se inspira em André 3000, Rick James, Prince e Little Richard.

Na última semana, Rico Dalasam estreou o clipe da música ‘Aceite-C’, dirigido por Toddy Ivon. O rapper planeja lançar o EP ‘Modo Diverso’ no primeiro mês de 2015. Para ouvir as músicas já lançadas de Dalasam, basta clicar aqui .

ASSISTA AO CLIPE DE 'ACEITE-C'


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.