Encontrar personagens gays na ficção nacional é quase tão impossível quanto achar um presente para "aquele" amigo insuportável (de presentear). Mas eles existem, e são incríveis

­­­Existe literatura gay no Brasil? Segundo a professora Regina Dalcastagnè, doutora em Teoria Literária pela Unicamp e professora titular de literatura brasileira da UnB (Universidade de Brasília), em seu estudo Literatura brasileira contemporânea: um território contestado, lançado em 2012, a literatura brasileira é um espaço pouco plural.

SIGA O IGAY NO FACEBOOK

Quando o estudo foi concluído, a porcentagem de personagens heterossexuais nas obras de ficção era imensamente superior à de homossexuais e bissexuais: respectivamente, 81%, 3,9% e 2,4%. Mas essa desproporção parece estar mudando. A temática LGBT invadiu as editoras comerciais e voltou com força total na última safra de romancistas brasileiros.

Veja a lista de sete sugestões do iGay e acredite: qualquer um deles é um presentão.


Sérgio Y. vai à América, de Alexandre Vidal Porto
Reprodução
Sérgio Y. vai à América, de Alexandre Vidal Porto


Sergio Y vai à América (Alexandre Vidal Porto, Cia das Letras): Você começa a ler e se pega pelo texto envolvente, nem percebe que está navegando em águas complexas. Quando vê já está em alto-mar. A transexualidade nunca foi tratada de forma tão humana. Vencedor do Prêmio Paraná de Literatura, a história de Sergio Y. prende a atenção do leitor de forma irresistível.  Impossível de se largar.

Todos nós adorávamos caubóis
Reprodução
Todos nós adorávamos caubóis

Todos nós adorávamos Caubóis (Carol Bensimon, Cia das Letras): Duas garotas saem numa viagem de carro pelo interior do Rio Grande Sul. A ambiguidade da relação entre elas dura pouco, trazendo a bisexualidade para o espaço do possível.

Deixei ele lá e vim, de Elvira Vigna
Reprodução
Deixei ele lá e vim, de Elvira Vigna

Deixei ele lá e vim (Elvira Vigna, Cia das Letras): Antes mesmo de abrir, o livro já te ganhou pelo nome, pela capa, pela dúvida: ele quem? lá aonde? Elvira Vigna situa um crime entre um hotel de luxo e o morro do Vidigal para desafiar as noções de gênero e falar de inadequação.

Nossos ossos, de Marcelino Freire
Reprodução
Nossos ossos, de Marcelino Freire

Nossos ossos ( Marcelino Freire, Record): Romance triste e tocante sobre um dramaturgo que tem de levar o cadáver de um michê de volta para a sua família, em Pernambuco.

A vez de morrer, livro de Simone Campos
Reprodução
A vez de morrer, livro de Simone Campos

A vez de morrer (Simone Campos, Cia das Letras): Mais uma história de meninas. Izabel, designer bisexual, volta do Canadá e acaba se mudando para Araras, na região serrana do Rio de Janeiro, para o sítio desocupado do seu avô.  

As Fantasias eletivas, Carlos Schroeder
Reprodução
As Fantasias eletivas, Carlos Schroeder

As fantasias eletivas (Carlos Henrique Schroeder, Record): A rotina banal de um recepcionista de hotel no Balneário Camboriú e sua amizade com Copi, uma escritora, fotógrafa e travesti argentina.

Exorcismos, amores e uma dose de blues
Reprodução
Exorcismos, amores e uma dose de blues

Exorcismos, amores e uma dose de blues (Eric Novello, Gutenberg): Romance de fantasia em clima noir que se passa em uma metrópole futurista, Libertá. Uma das melhores cenas de sexo da literatura brasileira em 2014.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.