Segundo o pesquisador da Universidade de Indiana, o mais surpreendente do estudo foram gays que também são contra demonstrações de afeto em público de casais do mesmo sexo

De acordo com pesquisa, os heterossexuais são mais dispostos a apoiar direitos igualitários para casais homossexuais do que apoiar demonstração de afeto em público entre casais do mesmo sexo
Thinkstock/Getty Images
De acordo com pesquisa, os heterossexuais são mais dispostos a apoiar direitos igualitários para casais homossexuais do que apoiar demonstração de afeto em público entre casais do mesmo sexo

Um estudo divulgado no último dia 18 pela Universidade de Indiana, nos EUA, levantou uma polêmica sobre a comunidade LGBT: pessoas que apoiam os direitos iguais para casais gays, mas que são contra a demonstração de afeto em público. Chamada de “Direitos formais e privilégios informais para casais homoafetivos: evidências de um experimento nacional”, a pesquisa levou em conta as respostas de mais de mil entrevistados norte-americanos.

- 30 fotos provam que ser contra o casamento gay é ser contra o amor

“Nós descobrimos que, em geral, heterossexuais apoiam tanto os benefícios legais para casais do mesmo sexo quanto para os casais heterossexuais, mas eles são bem menos tolerantes com demonstração de afeto entre casais do mesmo sexo do que eles são com heterossexuais”, disse Long Doan, doutorando do Departamento de Sociologia na Universidade de Indiana e autor do estudo.

SIGA O IGAY NO FACEBOOK

Os entrevistados foram apresentados a três exemplos de situações iguais, em que casais moram na mesma casa, mas não são casados legalmente. A única diferença entre as situações é a sexualidade: um casal era de gays, outro de lésbicas e outro de heterossexuais. Depois, eles tiveram de responder questões sobre suas percepções dos casos, como se eles deveriam ter o direito a seguro saúde familiar, direito à herança ou visita hospitalar.

Entre os entrevistados heterossexuais, 95% aprovou o beijo no rosto entre duas pessoas de sexo diferente, enquanto apenas 55% apoiou um casal gay se beijando no rosto
Thinkstock/Getty Images
Entre os entrevistados heterossexuais, 95% aprovou o beijo no rosto entre duas pessoas de sexo diferente, enquanto apenas 55% apoiou um casal gay se beijando no rosto

Já na segunda bateria de perguntas, os entrevistados contaram a sua visão sobre diversos tipos de demonstração de afeto em público, que variavam desde beijos de língua em um parque até andar de mãos dadas.

Entre os entrevistados heterossexuais, a pesquisa apontou que, por exemplo, 70% dos que foram apresentados à situação de casais heteros apoiavam o direito à herança para os dois, enquanto 69% dos que receberam a situação com casais gays apoiavam o direito à herança e 73% apoiavam esse direito para o casal de lésbicas.

No entanto, esse apoio à comunidade LGBT acaba quando o assunto é demonstração pública de afeto. Entre os entrevistados heterossexuais, 95% aprovou o beijo no rosto entre duas pessoas de sexo diferente, enquanto apenas 55% apoiou um casal gay se beijando no rosto e 72% aprovou o casal de lésbica na mesma situação.

“O apoio aos benefícios legais para gays e lésbicas não devem ser confundidos com atitudes favoráveis a casais do mesmo sexo em geral”, disse Doan. “Nós chegamos à conclusão de que, apesar de os heterossexuais estarem mais dispostos a garantir direitos iguais para casais de gays e lésbicas, ainda há um preconceito, que se manifesta de formas mais sutis.’

O que mais surpreendeu os pesquisadores, porém, foi o fato de que alguns gays e lésbicas são à favor de casais hetero demonstrando carinho em público, mas são contra essa situação quando se trata de casais do mesmo sexo.

“Essa foi a descoberta mais surpreendente do estudo”, conta Doan. “Inicialmente, foi contraintuitivo, porque esperávamos que gays e lésbicas abraçassem ideias igualitárias sobre demonstração de afeto em público de casais do mesmo sexo. No entanto, nós acreditamos que eles estão menos dispostos a aprovar essa situação por questão de segurança. Eles são bastante conscientes de que casais do mesmo sexo estão mais vulneráveis a agressões e crimes de ódio.”

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.