Mal anunciou retorno à política e o ex-presidente francês, na primeira entrevista à TV, afirmou que o casamento gay humilha as famílias. Sua mulher correu para amenizar a declaração

A ex-modelo e cantora Carla Bruni é casada com Sarkozy desde 2008
Reprodução
A ex-modelo e cantora Carla Bruni é casada com Sarkozy desde 2008

O povo francês surpreendeu o mundo quando, em fevereiro passado, juntou muitos milhares de manifestantes em Paris e em Lyon para protestar contra a legalização do casamento gay e outras propostas favoráveis aos direitos dos homossexuais na França. A movimentação não parecia combinar com país tão evoluído, intelectualizado e sofisticado. Não foi noticiada a presença do ex-presidente Nicolas Sarkozy na passeata, mas ele bem poderia ter estado lá, já que acaba de declarar que concorda com a opinião de quem é contra a união de casais do mesmo sexo. Mais: afirmou que o casamento gay 'humilha as famílias " e que ele detestava a maneira como o casamento gay foi "forçado goela abaixo" do governo de François Hollande.

Suas palavras exatas foram estas: "O governo está humilhando as famílias e humilhando as pessoas que amam a família."

SIGA O IGAY NO FACEBOOK

Ele anunciou na sexta-feira (19), pelo Facebook, que vai concorrer à presidência da França outra vez em 2017. Perguntado se iria se livrar da lei do casamento igualitário caso fosse eleito, Sarkozy disse que não seria uma prioridade quando tantos estão desempregados.

A mulher de Sarkozy, Carla Bruni, disse em entrevista para a Vogue francesa que discorda com o marido sobre a igualdade no casamento. "Sou totalmente a favor, porque tenho um monte de amigos - homens e mulheres - que estão nesta situação e não vejo nada de instável ou perverso em famílias com pais gays", disse ela, e ainda deu uma justificativa meio torta para justificar a gafe do marido: "Ele se opõe por razões ligadas à sua vocação política, já que vê as pessoas como grupos de milhares em vez de pensar nas pessoas que conhecemos pessoalmente." Hã?

Sarkozy perdeu a eleição para o socialista François Hollande na eleição de 2012.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.