Perícia encontrou indícios de que um coquetel molotov teria causado o incêndio, aumentando as suspeitas de ato criminoso por parte de pessoas contra o casamento homoafetivo

Agência Brasil

O incêndio que destruiu o palco principal do Centro de Tradições Gaúchas (CTG) Sentinelas do Planalto, de Santana de Livramento (RS), na madrugada do dia 11, não foi o suficiente para acabar com os sonhos do casal gay que se casará neste sábado (13) junto com outros 28 casais heterossexuais. Segundo declarações do presidente do CTG, Gilbert Gisler , e a juíza Carine Labres , a celebração coletiva continua confirmada.

Incêndio no CTG Sentinelas do Planalto atingiu o palco onde será celebrado um casamento homoafetivo no próximo sábado
Reprodução/Youtube
Incêndio no CTG Sentinelas do Planalto atingiu o palco onde será celebrado um casamento homoafetivo no próximo sábado

Peritos do Instituto Geral de Perícias do Rio Grande do Sul encontraram restos de uma garrafa com vestígios de gasolina entre os destroços do CTG. Segundo a delegada Giovana Muller, o laudo pericial ainda não foi concluído. “Considerando todo o contexto, isso praticamente elimina a hipótese de se tratar de um incêndio culposo [não intencional]”, declarou a delegada, referindo-se aos boatos, ameaças e críticas que surgiram após a diretora do Foro de Livramento, juíza Carine Labres, propor que o casamento coletivo fosse celebrado no CTG.

SIGA O IGAY NO FACEBOOK

Assim como a delegada Michele Mendes Arigony, da Delegacia de Pronto-Atendimento (DPPA), já havia revelado, Giovana confirmou que testemunhas afirmaram, extraoficialmente, ter visto pessoas estranhas circulando pelo local pouco antes do início do incêndio. “Mas ainda não conseguimos avançar e confirmar algumas informações preliminares, como a de que quatro pessoas estariam em um carro cuja placa teria sido anotada. Continuamos checando tudo isso”.

Com a hipótese de incêndio criminoso quase confirmada, aumenta a suspeita de que o crime tenha sido praticado por pessoas contrárias à presença de um casal homossexual na solenidade no CTG, no dia que marca o início das comemorações da Semana Farroupilha e das homenagens ao general Bento Gonçalves da Silva, líder da revolução que buscava a independência da então província do Rio Grande do Sul do Império. Bento Gonçalves é o símbolo da valentia gaúcha.

Embora esse seja o primeiro casamento previsto para ocorrer em um centro de tradições gaúcha, um primeiro casamento homoafetivo foi celebrado, em março deste ano, durante uma cerimônia coletiva promovida pelo Poder Judiciário gaúcho, na comarca de Santana do Livramento.

Por meio das redes sociais, o presidente do CTG, Gilbert Gisler, lamentou o ocorrido. “Sinto-me triste, magoado, indignado. São 30 anos de história [do centro]”, salientou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.