Campanhas para que atletas saiam do armário não impedem que estádios intimidem os gays e jogadores prefiram esconder sua orientação sexual. No Brasil, nenhum nunca se assumiu

No Brasil, os aletas do grande esporte nacional são todos heterossexuais. (Ahã, Claudia!) O fato é que os homossexuais da bola sempre preferiram ficar no armário, e nada indica que essa postura vai mudar tão cedo.

Se é verdade que o esporte une as pessoas, a realidade de algumas modalidades está longe de ser inclusiva. O caso do futebol é o mais flagrante. Quem é homossexual e já passou pela experiência de ir a um estádio sabe bem do que estamos falando. Não é preciso esperar muito para ouvir os torcedores usando as palavras "gay", "veado", "bicha" e afins como xingamento. Além de ofender e afastar os fãs gays do esporte, a mesma homofobia no futebol impede que jogadores saiam do armário.

SIGA O IGAY NO FACEBOOK

Então, até onde a gente sabe, tem aquele jogador que quase deu uma entrevista definitiva, tem aquele outro que teria tido um caso com não sei quem, tem aquele outro que sai para a noite passando um rodo em quem o atrair sem distinção de sexo, tem aquele outro que foi pego com um travesti, aquele outro que tinha um caso com uma transexual. Mas não tem ninguém disposto a dizer nada sobre nenhum desses assuntos.

Para tentar reverter essa situação, campanhas têm sido criadas para que os atletas profissionais assumam a homossexualidade e, desta maneira, criem maior consciência entre os torcedores. A própria Organização das Nações Unidas (ONU) pediu, no início da Copa do Mundo no Brasil, que os participantes homossexuais revelassem sua orientação durante o campeonato. "Somente assim eles vão ter o direito de ter sua orientação sexual aceita. Eles são exemplos, é importante que mandem essa mensagem aos fãs", comentou em junho Navi Pillay , da Comissão de Direitos Humanos da ONU.

Os pedidos não tiveram resultado: nenhum jogador das 32 seleções do Mundial de 2014 se assumiu gay. Ainda são poucos os exemplos de jogadores que conseguiram criar coragem e parar de se esconder.

Veja a lista com 8 jogadores de futebol profissional que se assumiram gays:

Thomas Hitzlsperger - Fora dos campos desde setembro do ano passado, o ex-jogador alemão de 31 anos se assumiu em janeiro deste ano. Em entrevista ao jornal alemão "Welt", ele declarou ter sido "um processo longo e difícil". O ex-meia disputou 54 jogos pela seleção de seu país.

Robbie Rogers - Homossexual assumido desde o início de 2013, o jogador norte-americano chegou a abandonar a carreira assim que saiu do armário. No entanto, em maio do ano passado decidiu voltar aos campos pelo LA Galaxy. Sobre desistir da aposentadoria, Robbie declarou ao USA Today: "Eu me senti como um covarde . Há jovens que lutam pelos seus direitos e estão mudando o mundo. Eu tenho 25 anos, uma plataforma para expor minhas ideias e a voz para ser um exemplo".

David Testo - O norte-americano se assumiu gay durante entrevista a uma rádio canadense em 2011. "Me arrependo de não ter anunciado publicamente antes. Lutei com isto por toda a minha carreira. Viver a vida de um atleta profissional e ser gay é incrivelmente difícil", disse.

Anton Hysén - O primeiro jogador de futebol sueco a se assumir gay, em 2011, é filho de um ex-atleta e treinador famoso no país. "As pessoas sempre vão dizer o que querem dizer, e as pessoas têm de ouvir coisas ruins, não interessa quem você é e o que você faz. Então, [antes de assumir], eu pensei: f***-se", disse em entrevista ao Gay Star News.

Thomas Berling - O ex-jogador norueguês se retirou dos campos de futebol em 2000, quando se assumiu gay. O atleta, segundo noticiários de seu país, teria desistido da carreira justamente por causa da homofobia dentro do esporte.

Jonathan De Falco - Jogando por times menores na Bélgica, o atleta teve de procurar outras fontes de renda, chegando a ser go-go boy e a fazer filmes pornôs gays. Em 2011, quando foi descoberto pela mídia, desistiu dos campos e anunciou que se assumir "foi um grande alívio".

Marcus Urban - Após uma lesão o obrigar a jogar em times menores nos anos 90, a ex-promessa do futebol alemão decidiu que era hora de se assumir homossexual. Ativista, Marcus disse que sair do armário foi como vencer a Copa do Mundo.

Justin Fashanu - Com uma carreira promissora, o inglês assumiu ser gay em 1990. No entanto, seu anúncio foi recebido com muitas críticas pelos fãs e Justin desistiu dos campos em 1994. Após 4 anos, seu caso com um garoto de 17 anos foi descoberto e ele foi acusado de estupro de menores. Alegando desde o início que o sexo foi consentido, o ex-atleta não aguentou a pressão e cometeu suicídio em 1998.

    Leia tudo sobre: futebol
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.