Em cartaz em SP, “Gotas d’Água sobre Pedras Escaldantes”, adaptação de Rafael Gomes para peça de Fassbinder, debruça sobre a complexidade de relacionamentos possessivos

Se na peça “Música Para Cortar os Pulsos”, de 2010, o diretor e roteirista Rafael Gomes  refletiu sobre o amor jovem e relativamente puro, em “Gotas d’Água sobre Pedras Escaldantes”, adaptação de texto do dramaturgo Rainer Werner Fassbinder (1945-1982) em cartaz no Instituto Cultural Capobianco, o autor constrói uma intensa alegoria sobre egoísmo e desgastes de um relacionamento.

CURTA O IGAY NO FACEBOOK 

Tudo começa quando Leopold ( Luciano Chirolli , inspiradíssimo) leva o jovem Franz ( Felipe Aidar ) para sua casa. Em um diálogo duro e um tanto arrastado, se apresentam os protagonistas: enquanto Leopold é prático e cínico, Franz é sonhador e inexperiente. A partir do encontro, o casal engata uma doentia relação.

Permeado por cobranças, o namoro, ou casamento, tendo em vista que os protagonistas moram juntos, aborda questões como a complexidade das relações, em especial a necessidade de mudar o outro e, claro, os desgastes do cotidiano, provocados muitas vezes por tantas coisinhas miúdas.

“Um dia houve uma coisa, na qual eles não puderam estar de acordo, uma coisinha, insignificante, uma diferença, mas depois dela já não existia mais um 'a gente juntos', somente diferenças”, sentencia Leopold em dado momento.

O passado dos homens surge na figura das respectivas ex-namoradas, Ana ( Nana Yazbek ) e Vera ( Gilda Nomacce ), fazendo a montagem engrenar. Então surge a discussão de gênero, não como crítica à homossexualidade ou referência à fluidez sexual, e sim como reforço da maleficência de Leopold, que se apropria de Ana. Já Vera é a representação do extremo a que pode chegar o egoísmo nos relacionamentos modernos.

Um dia houve uma cosia, na qual eles não puderam estar de acordo, uma coisinha, insignificante, uma diferença, mas depois dela já não existia mais um a gente juntos, somente diferenças

Destaque da peça é a cenografia assinada por André Corteza , que se encaixa perfeitamente na perspectiva do autor - que também a assina a direção do espetáculo. Rafael prefere insinuar do que mostrar. O figurino caprichado do estilista João Pimenta  contribui de forma certeira na construção dos personagens.

Em "Gotas D'água" o autor, diretor e roteirista Rafael Gomes acerta novamente. Basta saber se a próxima montagem, “Não Nem Nada”, com estreia prevista para agosto, vai seguir a trilha de sucesso conquistado com produtos tão bem acabados como a peça musical “Cambaio [a Seco]” e as séries “Tudo Que É Sólido Pode Derreter”, da TV Cultura, e “Três Terezas”, do GNT. Além, é claro, do hit do Youtube “Tapa na Pantera”.


Serviço:

Instituto Cultural Capobianco - Teatro da Memória: R. Álvaro de Carvalho, 97 - Centro Telefone: 3237-1187

Ingresso: R$ 30

Sexta às 21h30, sábado às 21h e domingo às 20h
Até 21/9


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.