Qual o limite da brincadeira e do bullying? Como se defender das ironias dos colegas? Para especialistas, o diálogo e o enfrentamento são a melhor solução. Naturalizar o problema faz com que situação persista

Danilo Novaes relata que piadas e comentários desagradáveis relacionados a gays são rotina
Arquivo pessoal
Danilo Novaes relata que piadas e comentários desagradáveis relacionados a gays são rotina

O gestor de redes sociais Danilo Novais , 26, é um entre muitos funcionários de uma agência de publicidade de São Paulo. Sua orientação sexual nunca foi um problema em seu ambiente de trabalho, mas uma coisa segue o incomodando: comentários e piadas que citam gays, lésbicas e transgêneros.

CONFIRA O IGAY NO FACEBOOK 

“Ouço quase que diariamente. Não direcionadas a mim especificamente, mas a gays em geral. O engraçado é que os caras sabem que sou gay e me tratam numa boa, cumprimentam, mas vivem fazendo piadas do tipo ‘não entendo como um cara consegue dar o c*’, e coisas assim”, desabafa o jovem.

Incomodado, Danilo explica que já pensou em confrontar os colegas de trabalho. “Tenho vontade de levantar e perguntar se eles lembram que existe um gay ao lado deles. Ou então perguntar se as piadas são pra mim. Mas confesso que não tenho coragem”, se resigna.

Gestor de redes sociais na agência, ele explica que já reclamou para sua superiora, mas sua queixa não obteve resultado positivo. “Minha chefe infelizmente não responde por esses funcionários do núcleo. Mesmo sendo bastante firme, tendo chegado a recriminar os comentários e o comportamento deles, notamos que o próprio chefe deles é conivente e não faz nada a respeito.”

Segundo Magda Hruza Alqueres , diretora de assuntos jurídicos da Associação Brasileira de Recursos Humanos do Rio de Janeiro (ABRH-RJ), a atitude de Danilo foi correta. “Caso a pessoa se sinta incomodada ou ofendida, o correto é procurar o chefe imediato ou o RH, que irá verificar como solucionar o problema”, explica.

Alqueres ressalta que o ideal é se informar sobre as políticas da empresa. “O funcionário sempre deve saber o que consta no código de ética e conduta da empresa, para saber se está bem protegido.”

Caso o funcionário não tenha retorno ou veja mudanças na atitude dos colegas, o recomendado é buscar canais competentes e formalizar uma denúncia. “Na maioria das vezes os gestores e diretores não têm noção de que essas situações acontecem, portanto é preciso primeiro informar internamente. Caso não aconteçam mudanças, os órgãos competentes podem ser acionados”, explica ela, se referindo às coordenações de diversidade estaduais e municipais e até à justiça do trabalho.

ALUNOS SABEM MAIS QUE OS PROFESSORES

A professora de educação física Sara Rayanne Silva Azevedo , 28, conta que também é alvo de piadas e comentários. “Ouço comentários o tempo todo, principalmente de colegas. É quase algo naturalizado, cotidiano. Me sinto bem incomodada e por muito tempo cheguei a esconder a minha orientação sexual”, relata.

Sara combate o preconceito com humor e informação
Arquivo pessoal
Sara combate o preconceito com humor e informação

Mesmo considerando não revelar sua orientação sexual, Sara preferiu sair do armário e enfrentar a situação, mas procura responder os comentários sempre que possível. “Comecei a fazer piadas também, do tipo ‘É muito difícil ser hétero’”. Foi assim, com ironia, que ela decidiu rebater os colegas. Em relação aos alunos, revela ela, a situação é mais suave.

“Eles são bem mais compreensivos que os professores. Os mais novos estão cada dia mais em meio ao turbilhão de emoções e com a sexualidade aflorada, e mesmo os alunos LGBT, que sofrem com as piadas, têm conquistado um espaço que é próprio deles”, relata.

Como dica principal para se defender desse tipo de situação que ainda é comum, Sara orienta: “Encontre uma forma de enfrentar, seja com bom humor, seja com conversas. Deixar se tornar algo natural é o principal problema”, aponta.

Para os casos em que as piadas partem dos subordinados no trabalho, o conselho de Alqueres vai pela mesma linha. “Quando se trata de um funcionário, vale sentar, conversar e explicar que aquela brincadeira pode vulnerabilizar a empresa, pode causar danos. E que esse tipo de piada não faz parte do contrato”, ensina.

HETERO CONSCIENTE

Lucas Coelho , 32, publicitário e dono de uma agência, é heterossexual. Porém, ele também se sente incomodado com as ditas brincadeiras envolvendo os LGBT. “Acredito que uma das principais ações para acabar com o bullying em ambiente de trabalho é um hetero consciente”, afirma, bem humorado.

Lucas Coelho, heterossexual, defende a conscientização como melhor forma de combater o bullying
Arquivo pessoal
Lucas Coelho, heterossexual, defende a conscientização como melhor forma de combater o bullying

“É uma reprodução. Quando eu era pequeno, todo mundo dizia ‘gordo morfético’, sem saber o que aquilo representava, só por repetição. Fala-se viado, no sentido pejorativo, pelo mesmo motivo. A diferença é que antigamente ninguém assumia ser homossexual, então não se percebia que isso seria uma ofensa a alguém. Hoje em dia, não vejo mais desculpa pra continuar com essa atitude. Apenas a preguiça em raciocinar e mudar.”

Antigamente, ninguém assumia ser homossexual, então ninguém percebia que isso (chamar de viado) era uma ofensa a alguém. Hoje em dia, não vejo mais desculpa pra continuar com essa atitude. Apenas a preguiça em raciocinar e mudar (Lucas Coelho)

Adepto do diálogo aberto, Lucas sempre fez questão de chamar a atenção dos colegas. Ao fundar sua própria agência, abordou o assunto antes dele se tornar um problema. “Tivemos uma estagiária assumidamente lésbica e desde o primeiro dia reuni a equipe e deixei claro que não iria admitir qualquer tipo de piada ou comentário por conta disso. No começo, todos acharam que era apenas brincadeira, mas com um pouco de conversa e seriedade, as pessoas compreendem que isso é algo que não cabe em ambiente profissional”, finaliza.

Veja as frases típicas de homofóbicos que se dizem amigos dos gays:


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.