Na tentativa de atrair público, longa foca nos problemas e minimiza grandiosidade criativa do estilista

Quando o estilista Yves Saint Laurent assumiu a direção criativa da maison Dior, em 1957, um ícone nascia. Sempre associado a reinvenção do guarda-roupa feminino – foi ele quem inseriu o smoking na alta costura - o estilista era e ainda é considerado um gênio. Mas mesmo com a beleza hipnotizante de seu interprete Pierre Niney , a cinebiografia dele deixa a desejar pelo excesso de pontas soltas, assim como o seu moralismo.

CURTA O IGAY NO FACEBOOK 

Contada pelo diretor Jalil Lespert,   a construção de "Yves Saint Laurent", que estreia no Brasil no dia 24 de abril, é um tanto oportunista e opta pela fase problemática do estilista durante as décadas de 60 e 70, regada a muito álcool, drogas e sua relação amorosa com Pierre Bergé ( Guillaume Gallienne ) .

A não glamourização dos abusos e o recorte em cima da vida pessoal do estilista poderia ser um ponto positivo se não tivesse ares de lição de moral. Cenas de sexo, por exemplo, só são mostradas com os amantes, nunca com seu grande amor. Fica confuso também o motivo de sua convocação para servir ao Exército – nascido na Argélia, então colônia francesa, Yves teria que lutar na Guerra da Independência do seu país  de origem. Outro problema: o rumo que tomou a relação do casal.  

Niney está encantador como Yves. Doce, delicado e, posteriormente, libertino. Ele nunca deixa a peteca cair. Seus coadjuvantes também atuam de forma correta, mas sem muita emoção.

Gallienne como Bergé, no entanto, não parece apaixonado e Nikolai Kinski, como o temperamental Karl Lagerfeld  - atual diretor criativo e designer chefe da Chanel, Fendi e de sua marca própria - é uma das grandes decepções do filme, se tornando quase um figurante.

A atriz Catherine Deneuve também faz falta, amiga de Yves por décadas e praticamente embaixatriz da marca dele, não é nem citada no longa. A cinebiografia optou por abordar a relação de Yves com a designer de joias Loulou de la Falaise e com a modelo Betty Catroux .

Ignorar os últimos 30 anos de vida, etapa da expansão da marca e da criação da Fundação Pierre Berge - Yves Saint Laurent também não foi uma das melhores escolhas de roteiro, empobrecendo a trajetória do estilista. 

O estilista Yves Saint Laurent (Pierre Niney) aparece deitado à beira da piscina em cena da cinebiografia que leva seu nome. O longa tem estreia marcada para o dia 24 de abril
Divulgação
O estilista Yves Saint Laurent (Pierre Niney) aparece deitado à beira da piscina em cena da cinebiografia que leva seu nome. O longa tem estreia marcada para o dia 24 de abril

FALTA MODA

Talvez na tentativa de aproximar o público, a moda, essencial na vida de Yves, como é inclusive falado no filme, é colocada em um segundo e distante plano. O estilista criou incontáveis coleções inspiradas em artistas plásticos como Mondrian (rapidamente abordado), Matisse e George Braques , além de ser o primeiro a colocar modelos negras na passarela.

De bom fica o trabalho de Madeleine Fontaine , responsável pelos figurinos. Originais do acervo da fundação do estilista, a peças não puderam ter nenhuma alteração e eram manuseadas apenas com luvas pela equipe técnica. Fora isso, e a beleza e dedicada atuação de Niney, o filme é completamente esquecível.

Confira o trailer de "Yves Saint Laurent":


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.