Lançando guia com o melhor da Big Apple, apresentador do programa “Manhattan Connection” ressalta o caráter gay friendly dos nova-iorquinos

Na bancada do programa da Globo News “Manhattan Connection” desde 2008, o apresentador Pedro Andrade se destaca por estar sempre a postos para indicar as novidades mais quentes sobre o que Nova York tem a oferecer nos quesitos compras, cultura e gastronomia. Todo esse conhecimento conquistado ao longo destes anos foi reunido num guia com o que há de mais indispensável no variado e farto cardápio da cidade.

CURTA O IGAY NO FACEBOOK  

“O Melhor Guia de Nova York” (Rocco) disseca a Big Apple em 272 páginas, devidamente ilustradas com belas fotos. O livro procura atender diversos públicos, dos loucos para estourar o cartão de crédito aos aficionados por programas culturais. Viajantes em grupos, solitários e casais em lua de mel têm dicas especificas para os seus gostos. O público gay também não foi esquecido e ganha um capítulo só seu, que além das dicas de programas, traz um pouco da história da cidade como berço do movimento LGBT.

Aliás, Pedro ressalta na sua conversa com o iGay o caráter gay friendly dos nova-iorquinos, que não veem com bons olhos quem desrespeita a diversidade sexual. “Ser preconceituoso aqui é um grande mico”, aponta o carioca de 34 anos. “Aqui não existe espaço para demonstrações de imaturidade ou despreparo social. Se alguém faz um comentário racista ou homofóbico, a população olha de forma indignada para o crítico, não para a vítima do ataque”, acrescenta o apresentador.

Aqui não existe espaço para demonstrações de imaturidade ou despreparo social. Se alguém faz um comentário racista ou homofóbico, a população olha de forma indignada para o crítico, não para a vítima do ataque

Para produzir tanto o capítulo gay quanto os outros, Pedro usou suas experiências como repórter do “Manhattan Connection” e também na rede americana NBC, onde foi correspondente até setembro do ano passado, quando se transferiu para o canal ABC Fusion para apresentar o programa “The Morning Show”. Dicas de especialistas e amigos também foram importantes para produzir o livro.

“Fiz um verdadeiro laboratório utilizando lugares que tive que cobrir para a ABC, a NBC e para o ‘Manhattan Connection’”, explica Pedro, que não esconde o entusiasmo em participar de um programa nacional nos Estados Unidos.

“A oportunidade de ancorar o meu próprio programa em rede nacional americana era irrecusável. Hoje, vejo que a experiência é um divisor de águas na minha vida.”

Dicas de gastronomia, cultura e compras estão no guia de Pedro Andrade
Aydin Arjomand/Vira Comunicação
Dicas de gastronomia, cultura e compras estão no guia de Pedro Andrade

VICIADOS EM NOVIDADES

A maior dificuldade na produção do livro foi o insaciável apetite dos new yorkers por novidades. “Procurei não focar em modismos e escolhi a dedo os lugares e programas que não são apenas uma febre temporária. Mas estabelecimentos bons, que não comprometem sua qualidade em um, dois ou três anos”, explica Pedro, acrescentando que esse apreço pelo novo acirra violentamente a competição entre os comerciantes de Nova York.

“Nenhum outro lugar se recicla com tamanha rapidez... Um em cada três restaurantes que abrem em Manhattan, fecham em menos de um ano. A competição é brutal em todos os sentidos e a necessidade de se renovar é indispensável”, avalia o apresentador.

O QUE FAZ UM DIA PERFEITO EM NY?

Apesar de achar quase impossível responder a esta pergunta, considerando as inúmeras opções oferecidas por Nova York, Pedro topa listar os programas que fazem um dia perfeito para ele na cidade.

Apresentador se divide entre Nova York, Miami, São Paulo e Rio de Janeiro
Aydin Arjomand/Vira Comunicação
Apresentador se divide entre Nova York, Miami, São Paulo e Rio de Janeiro

Manhã: Corrida nas margens do Rio Hudson, seguida de café da manhã na unidade do parque High Line do restaurante Bubby’s. Depois, Pedro recomenda bater perna sem compromisso pelas ruas do West Village e compras no bairro do SoHo. Um passeio no Brooklyn Museum -  com parada obrigatória no Jardim Botânico - fecha a parte da manhã da programação.

Tarde: Para esta parte, Pedro indica uma tarde no Central Park, com direito a bebericar uma taça de martini no topo do museu Metropolitan – essa última dica vale para as sextas-feiras e os sábados. Uma segunda opção é acompanhar um show da banda Hot Sardines no topo do Hotel Standard, é preciso verificar a agenda do local para saber quando eles tocam lá.

Noite : Na hora do jantar, as opções aumentam e Pedro prefere não indicar apenas um restaurante, mas quatro de seus favoritos. São eles: o descontraído italiano Barbuto, o elegante francês Standard Grill, o badalado franco-vietnamita Indochine e o luxuoso asiático Cherry. É recomendável fazer reserva antes de ir a qualquer um deles. Para encerrar a noite, o apresentador não abre mão de bons drinks no Raines Law Room.

PONTE AÉREA INTERNACIONAL

Além de Nova York, Pedro se divide entre Miami, onde ficam os estúdios da ABC, Rio de Janeiro e São Paulo, capitais brasileiras que visita com frequência, a trabalho ou passeio. Na sua terra natal, a Cidade Maravilhosa, o apresentador tem alguns lugares na sua lista de favoritos, como o calçadão de Ipanema, a praia do Leblon, o Parque Lage, o Baixo Gávea e o Museu de Arte Moderna, no Parque do Flamengo. Mas para ele, o programa mais indispensável é mesmo uma tarde na casa de sua avó.

Quando está em São Paulo, Pedro aproveita para circular pelo famoso circuito gastronômico paulistano. Entre os lugares que ele sempre visita, estão o japonês Nagayama, o badalado Spot e o premiadíssimo Dom. “Alex Atala é um gênio”, se empolga o apresentador, ao falar deste último restaurante. Nos programas culturais, o precioso acervo da Pinacoteca ocupa o primeiro lugar na preferência dele. 

MIAMI NÃO É CAFONA

Morando parte do seu tempo em Miami, o apresentador tem se encantado com a riqueza cultural da cidade adorada pelos brasileiros. “Não é mais aquela cidade cafona que muita gente desprezou por anos. A maior feira de livro dos EUA fica lá, assim como a maior feira de arte e o maior festival de música eletrônica... A noite é intensa, os restaurantes são ótimos, o universo da arte está cada vez melhor, enaltece Pedro, admitindo que não hesita em pegar o caminho do aeroporto quando a saudade de Nova York aperta. “Tenho o privilégio de me sentir em casa a bordo de um avião com minha mala em mãos.”

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.