Com 17 anos, Pascal Tessier desafiou as regras ao defender a diversidade no maior grupo americano de escotismo: "Não mudaria nada, mesmo se tivesse sido expulso ao longo do caminho"

AP

O processo de mudança está acontecendo rapidamente na  Boys Scouts of America (BSA), a maior organização de escotismo de Estados Unidos. Após anos de turbulência e longo debate sobre adesão ou não de membros homossexuais, a organização alçou um jovem gay de 17 anos a mais alta patente da prática, dando a ele posto de Águia Escoteira.

CURTA O IGAY NO FACEBOOK 

O gesto aconteceu poucas semanas depois da queda da proibição de escoteiros gays na BSA, que tem mais de 2,5 milhões de membros. No entanto, a organização ainda não permite que chefes de grupo sejam abertamente homossexuais.  

Depois de uma votação interna no ano passado, a BSA abriu oficialmente suas portas para incluir todos os meninos, independentemente de sua orientação sexual.

Pascal Tessier ,  o adolescente condecorado, participa da tropa 52, na cidade americana Chevy Chase, no estado Maryland. Durante a cerimônia de premiação, o jovem recebeu muitos aplausos, apertos de mão e cumprimentos.

Escoteiro há seis anos, Tessier já conquistou 27 medalhas de mérito por seus projetos, sua liderança e suas habilidades ao livre.  Ele colocou tudo tudo isso em risco ao defender publicamente a presença de gays no escotismo, muito antes da proibição cair.  

O chefe da tropa de Tessier, Don Beckham , discursou durante a condecoração. "O escoteiro é corajoso", disse ele aos seus escoteiros , citando a Lei Escoteira, logo após conceder a medalha de Águia para o adolescente.  

"Para ser um líder, é preciso defender o que se acredita ser certo", discursou Beckham.  "Você pode ser solicitado a fazer sacrifícios pessoais, potencialmente desistir de seus sonhos, porque você está ajudando a fazer algo acontecer, algo que é importante para um monte de outras pessoas", prosseguiu o chefe do grupo.  

A mãe de Tessier  Tracie Felker  acompanhou tudo ao lado de outros pais e afirmou que "uma nova era" estava começando no escotismo. A luta sobre a política de associação dos escoteiros persistiu por décadas, incluindo uma decisão da Suprema Corte dos EUA,  em 2000.

Pascal Tessier e sua família foram os maiores defensores das politicas de diversidade no escotismo
AP
Pascal Tessier e sua família foram os maiores defensores das politicas de diversidade no escotismo

Lucien Tessier, irmão do adolescente, que também é gay e escoteiro, lançou uma petição online no ano passado e reuniu 130 mil assinaturas. Ele tomou essa atitude depois de um oficial escoteiro da cidade dizer que seria impossível o jovem chegar ao posto de Águia, sendo ele abertamente gay.

"Não mudaria nada, mesmo se tivesse sido expulso ao longo do caminho", argumentou Paul Tessier.  "Toda a experiência foi algo que valeu a pena, não só para mim, mas também para todas as outras pessoas envolvidas. E para todas as pessoas afetadas por essa questão."

O porta-voz do movimento escoteiro  Deron Smith declarou que a organização continua focada em fornecer um programa baseado no desenvolvimento de caráter e do espírito de liderança. De acordo com Smith, não houve êxodo em massa de membros, como alguns opositores da mudança de política previam no ano passado .

"Os escoteiros nunca perguntaram sobre a preferência sexual de seus membros, funcionários ou voluntários", avaliou Smith. "Acreditamos que toda criança merece a oportunidade de ser parte da experiência do escotismo”, concluiu ele. 

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.