Neste 25 de dezembro, veja um perfil de uma drag queen que descobriu nas festas de fim de ano uma oportunidade para faturar alto

A agenda dela esteve lotada neste fim de ano. Desde novembro, sua equipe realizou 80 eventos em confraternizações para empresas, ONGs e asilos, além de reuniões familiares. Em metade deles, ela esteve presente pessoalmente com seu figurino ultracolorido, a cabeleira loira avantajada e um vertiginoso saltão. Com esses atributos, a drag queen Tchaka foi a estrela de muitas festas de Natal em São Paulo, se tornando uma concorrente de peso para o grande protagonista da época: o bom velhinho Papai Noel.

CURTA O IGAY NO FACEBOOK 

Há 13 anos trabalhando com telegramas animados e eventos corporativos, Tchaka tem se dedicado mais intensamente nos últimos cinco anos às festas de fim de ano. Em 2013, ela viu a procura por suas apresentações aumentar ainda mais. “A noelete torna a celebração mais descontraída. Quem trabalhou o ano todo quer relaxar, dar risada e se divertir, não quer participar de uma reunião formal, careta”, explica ela, descrevendo as vantagens de se contratar uma drag natalina.

O pacote mais barato para contratá-la sai por R$ 400 e dá direito a uma apresentação solo de Tchaka que dura 40 minutos. Mas quem tiver disposto a desembolsar mais pode incluir anões, outras drags e mesmo um Papai Noel - se o contratante fizer questão da tradição. “O céu é o limite. Pagando, chego até de treno puxado por uma dúzia de renas ou de nave espacial”, brinca a drag, que faz até quatro apresentações por dia. “Quando chega o último, taco glitter na cara para o reboco da maquiagem não desabar e resistir até o fim da noite”, revela ela, soltando uma sonora gargalhada.

A noelete torna a celebração mais descontraída. Quem trabalhou o ano todo quer relaxar, dar risada e se divertir, não quer participar de uma reunião formal, careta

Quem dá o tom da festa ou evento também é o contratante. “O cliente passa previamente um briefing, explicando o perfil da empresa. A partir disso vamos definindo como será a apresentação, se vai ter um tom mais motivacional, se vai ser para descontrair ou mesmo para celebrar os funcionários que mais se destacaram no ano”, descreve Tchaka.

Tchaka faz amizade fácil e em poucos minutos está dominando a cena
Edu Cesar
Tchaka faz amizade fácil e em poucos minutos está dominando a cena

Apesar dessa informação prévia, Tchaka conta que boa parte de sua performance é definida na hora. “Depende muito do humor das pessoas que estão na festa. Às vezes, a gente encontra um público mais solto, pronto para se jogar e ferver. Mas também tem grupos resistentes. Você planta bananeira, tira roupa e não adianta nada, eles nem se mexem. Nestes casos, o melhor é não forçar a barra.”

Às vezes, a gente encontra um público mais solto, pronto para se jogar e ferver. Mas também tem grupos resistentes. Você planta bananeira, tira roupa e não adianta nada, eles nem se mexem

Tchaka também alguns truques para evitar saias justas. “Sempre peço para não me colocarem no início da festa, quando está tudo meio frio e nem todas as pessoas chegaram. Também evito o fim da reunião. Nesta hora, o povo já se jogou na bebida e está para lá de Bagdá”, conta a drag noelete, que diz ter um faro aguçado para eventuais problemas.

Tchaka trabalha com festas e eventos há 13 anos
Edu Cesar
Tchaka trabalha com festas e eventos há 13 anos

“Eu bato olho e vejo quem pode dar bafão, fazer vexame. Sei também que é mais tímido e não está com vontade de interagir. Mantenho distância nestes casos”, revela Tchaka.

No último sábado (21), a reportagem do iGay acompanhou a drag em versão noelete numa festa de confraternização de funcionários de uma ONG realizada num bufê na Zona Leste de São Paulo.  Tchaka encontrou um grupo tímido quando chegou lá, mas em poucos minutos conseguiu fazer público seguir os seus comandos e soltar. No final, a maioria estava dançando coreografias ao seu lado. 

Eu bato olho e vejo quem pode dar bafão, fazer vexame. Sei também que é mais tímido e não está com vontade de interagir. Mantenho distância nestes casos

Depois dessa maratona de trabalho - que incluiu um evento até na véspera da celebração natalina -  Tchaka tem planos bem objetivos para o dia do Natal. "Só penso em descansar, quero distância de festa", conclui.  

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.