Respeitando as distintas experiências de vida, parceiros conseguem superar a discrepância geracional, mas não evitam constrangimentos como o de ser confundido com o pai do marido

Um dos assuntos mais comentados dos últimos dias, o suposto romance entre o mergulhador britânico Tom Daley e o premiado roteirista Dustin Lance Black surpreendeu não só por unir personalidades de universos distintos, mas também pela diferença de idade existente entre os dois. Ídolo dos adolescentes ingleses, Daley tem 19 anos. O vencedor do Oscar pelo script de “Milk – A Voz da Igualdade” tem mais que o dobro, 39.

CURTA O IGAY NO FACEBOOK

Essas duas décadas que separaram o nascimento deles suscitaram especulações sobre a durabilidade do romance. A questão principal apontada foi: um relacionamento com uma diferença geracional grande pode dar certo?

No caso de Daley e Black, só o tempo vai dizer se a resposta será sim ou não. Mas os parceiros anônimos ouvidos pelo iGay, vivendo uma situação similar a do casal famoso, respondem que é possível ver um relacionamento nestas condições dar certo, mas que é preciso respeitar certas condições para isso acontecer.

Os 48 anos de diferença de idade apresentados pelo casal formado pelo ativista LGBT Ricardo Aguieiras e pelo estudante John Botelho fazem as duas décadas de Black e Daley parecerem um número não tão significativo. Ricardo tem 67 anos, e John, 19.

“Sempre me interessei por homens mais velhos. Alguns amigos dizem que é uma maneira de eu suprir uma paternidade ausente. Mas essa explicação nem cabe, já que a relação com meu pai é ótima. Ele é muito presente e participativo na minha vida”, explica John, dizendo ainda que a diferença de idade proporciona uma troca de experiências rica com alguém que já viu muito da vida.

Ricardo Aguieiras é 48 anos mais velho que o parceiro John Botelho
Arquivo pessoal
Ricardo Aguieiras é 48 anos mais velho que o parceiro John Botelho

Para Ricardo, que vive com o companheiro em Manaus, essa troca acontece em todas as questões do dia a dia, inclusive na hora de ouvir música. “Eu apresentei para ele cantoras como Judy Garland e Barbra Streisand . Ele me mostrou bandas como Legião Urbana e Coldplay ”, conta o ativista.

Na conversa com a reportagem, a admiração mútua entre o ativista e o estudante fica evidente. Aliás, eles consideram esse fator preponderante para relação como a deles dar certo.

“Acho o Ricardo genial, sinto que posso passar a vida inteira conversando com ele e que sempre vamos ter assunto”, elogia o parceiro, que recebe de volta o carinho do marido. “Fico impressionado com a maturidade do John, principalmente pela pouca idade dele”.

Nem pai, nem ‘tiozão que banca’

Na relação do professor de inglês Marcelo Polato , 43, e do turismólogo Robson Rodrigues , 29, o aprendizado de um parceiro com o outro também é bem presente. Robson revela que o parceiro lhe ensinou a ser mais perseverante, por exemplo. “Aprendi com ele a confiar mais em mim e a não desistir dos meus objetivos... Ele me conheceu quando eu estava mal de grana, me apoiou e até me ajudou. Algo bem distante daquela imagem do ‘tiozão’ que banca.”

Por outro lado, Robson ajudou o companheiro a ser menos intransigente com ele mesmo. “Aprendi a ser menos rígido, a não me preocupar com coisas que não dependem apenas de mim”, diz Marcelo, que viu o companheiro mais jovem ajudá-lo a sair do armário de um modo mais definitivo.

“Minha primeira balada gay só aconteceu quando eu tinha 37 anos. Demorei a me assumir. Já fui casado e tenho um filho de 12 anos. Foi só depois de estar com o Robson que falei abertamente da minha orientação sexual para a minha família e amigos”, reconhece Marcelo, que vive com o parceiro em Cotia, na Grande São Paulo. 

Ele me conheceu quando eu estava mal de grana, me apoiou e até me ajudou. Algo bem distante daquela imagem do ‘tiozão’ que banca (Robson Rodrigues)

A boa sintonia do casal não impede que eles passassem por situações constrangedoras. “Durante uma viagem para ao Chile, fomos confundidos como pai e filho o tempo todo, pelos vendedores, pelos guias e até pelo oficial da imigração”, relata o Marcelo, rindo ao lembrar a situação. No entanto, ele admite que em alguns momentos essa questão torna-se embaraçosa. “Quando dizemos que somos casados, algumas pessoas ficam constrangidas. Só não sei se é apenas pelo fato de sermos gays ou pela questão da diferença de idade”.

O relacionamento do estudante Carlos Henrique , 24, com o militar aposentado Luiz Pereira , 54, já dura cinco anos. Carlos acredita que não teria crescido tanto como pessoa neste período caso tivesse passado esse tempo todo com alguém da mesma idade.

“Quando dizemos que somos casados, algumas pessoas ficam constrangidas. Só não sei se é apenas pelo fato de sermos gays ou pela questão da diferença de idade (Marcelo Polato)

“A bagagem de quem é mais velho só acrescenta. Isso me tornou uma pessoa com outro olhar para vida. Na idade em que estou hoje, me sinto preparado para determinadas situações da vida que não estaria caso estivesse alguém mais novo”, analisa Carlos.

Por causa do namorado, Luiz decidiu até voltar para os estudos numa universidade do Rio de Janeiro, cidade onde os dois vivem. “Ele está aposentado dos serviços militares e decidiu estudar Direito comigo. Estamos aprendendo juntos não só vida, mas também na faculdade”, conclui Carlos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.