Heleninha, personagem do livro “Sempre Amigos”, resume a atitude das meninas que preferem principalmente amigos gays e vão sempre a baladas e locais voltados ao público LGBT

O livro “Sempre Amigos” (Editora Multifoco) conta a história de Eduardo, jovem gay que está descobrindo sua sexualidade. Na trama se destaca Heleninha, uma “Maria Purpurina”, ou seja, aquela menina heterossexual que se identifica muito com o universo gay.

CURTA O IGAY NO FACEBOOK 

Para Valter Rege , autor do livro, Heleninha surge para mostrar que o amor é universal e principalmente para retratar a realidade de muitas meninas que estão por aí. “Como a maioria das Marias Purpurinas, Heleninha procura se relacionar com gays pela sensibilidade que não encontra nos homens heterossexuais”.

Tágide Peres e o sócio Rick Hudson entre drag queens, diversão que virou negócio
Arquivo pessoal
Tágide Peres e o sócio Rick Hudson entre drag queens, diversão que virou negócio

É esse o caso da publicitária Amanda Santos , 22. Nascida em Sorocaba, interior de São Paulo, conta que desde sempre foi apegada aos meninos gays. “Um dos meus melhores amigos de infância é gay e lembro que quando era pequena e mal sabia que homossexualidade existia, perguntava para a minha mãe porque meu amiguinho tinha aquele ‘jeito’ e ela me respondia que era apenas porque ele era educado demais”, relembra ela, rindo.

Amo nos gays a sinceridade, o companheirismo, a vontade de ser feliz, de se expressar sem se importar com as outras pessoas." (Aline Lima)

“Eu acredito que os gays são bem mais humanos que o resto das pessoas, inclusive mais até do que eu. Eles vivem no meio de tanto preconceito da sociedade que conseguem não ser tão preconceituosos, julgam menos os outros”, descreve a publicitária, que diz não trocar uma balada gay por nada. "Eles também sabem se divertir como ninguém".

Aline Lima conta que só passou a se sentir enturmada quando conheceu o universo gay
Arquivo pessoal
Aline Lima conta que só passou a se sentir enturmada quando conheceu o universo gay

O acolhimento foi também o que encantou a analista de redes sociais Aline Lima  , 22, no convívio com os gays. “Sempre fui meio estranha, meu jeito não agradava muito as meninas do colégio, e andava muito sozinha. Quando mudei de colégio e fiz amizade com um gay e vários meninos, me soltei muito mais. Na faculdade meu melhor amigo, que é gay, me mostrou o universo dele e eu me encontrei”, relata ela.

Para Aline, as músicas e a liberdade são as coisas que mais a atraem. “Posso afirmar que as pessoas mais incríveis que conheci na vida são gays. Meus amigos brincam que eu atraio. Amo nos gays a sinceridade, o companheirismo, a vontade de ser feliz, de se expressar sem se importar com as outras pessoas”, declara.

Ajudando a entender o “Poder Feminino”

A brasiliense Tágide Peres,   31, é DJ e editora-chefe de um site de cultura pop voltado para o público gay. É formada em arquitetura e foi na faculdade que conheceu seu melhor amigo e atual sócio, quando se separou do marido, com quem foi casada por dez anos.

“Foi depois do divórcio que me joguei de vez no meio gay e comecei a sair intensamente. Logo nas primeiras baladas peguei amor pelo meio, e me adaptei muito fácil. Meus amigos foram e são até hoje uma grande família, me ensinaram valores e acima de tudo a não sentir uma auto-piedade característica da maioria das recém separadas. Nunca tive pessoas que me ajudaram tanto a entender meu ‘poder feminino’, e isso levantou minha moral rapidamente e me fez seguir em frente” conta Tágide.

A DJ mostra admiração ainda pelas superações do grupo. “A maioria dos gays carrega alguma história de preconceito dentro e fora de casa, e usa isso de combustível para a superação, o tempo todo sem perder a alegria de viver, mesmo com esse cenário hostil. Eu acho isso  fantástico”, admite ela.

O site que edita, Babado e Confusão, veio dessa alegria que ela compartilha com os gays. Sempre desbocada, começou a escrever na internet textos sarcásticos e espontâneos, e o sucesso foi tanto que ela se juntou ao amigo, Rick Hudson, e fundou o blog. “Quando o Babado estava prestes a completar um ano, tivemos a ideia de comemorar. A festa lotou e antes de acabar o dono da casa nos propôs outra festa. Hoje temos duas festas fixas por mês, a BCQ e GIMME", conta ela.

Código de linguagem

Para a psicóloga Janaina Leslão Garcia  , o comportamento das Marias Purpurinas é algo habitual. “As pessoas procuram estar entre os que as protegem, de que conhecem os códigos de linguagem. Nossa cultura é composta por grupos, sempre foi, porque não ser esse grupo o universo gay?”.

Prefiro curtir minha vida com meus amigos gays do que ir numa balada hétero e me sentir um corrimão, onde os caras ficam pegando... Te puxam pela mão, tentam te beijar à força (Amanda Santos)

Outro fator de aproximação citado por Amanda é que nas festas gays as meninas não são abordadas de forma bruta por rapazes, o que facilita a diversão. “Prefiro curtir minha vida com meus amigos gays do que ir numa balada hétero e me sentir um corrimão, onde os caras ficam pegando... Te puxam pela mão, não te deixam passar no meio da multidão, tentam te beijar à força... acho isso uó”, relata Amanda. 

E se um dia um namorado pedir para ela deixar de ser Maria Purpurina? “Antes de namorar já é pré requisito não me pedir isso! Senão não tem papo.”

Aline, por sua vez, encontrou na faculdade um namorado “gay friendly”. “Meu namorado é hétero, mas ele também estuda design e encara super bem. Meus amigos gays adoram ele, tudo na base do respeito, ele inclusive tem vários amigos gays”, conta ela, que acha inadmissível ter amigos homofóbicos.

Amanda Santos: 'Não troco balada gay por hétero'
Arquivo pessoal
Amanda Santos: 'Não troco balada gay por hétero'

“Meus pais tinham muito preconceito. Eu até entendo, pela criação deles e como era antigamente em relação aos gays. Mas amigos héteros homofóbicos eu não admito não. É um preconceito idiota que não dá pra aturar”, completa a analista.

Sobre essa postura de proteção que as meninas assumem com os amigos gays, Janaina Leslão diz que é relativo, porém mostra uma mudança no perfil das jovens mulheres. “Algumas meninas vão para a balada gay apenas pela diversão, mas é inegável que muitas vão porque não gostam de ser ‘cantadas’ ou tocada constantemente. As mais jovens não são tão permissivas quando as de outra geração, que entre aspas se acostumaram com o assédio.”

A psicóloga conclui explicando a importância de socializar em grupos diversos. “Tudo é saudável, na medida em que você não se prenda aos estereótipos e que não se limite. É sempre importante lembrar que, por melhor que seja a sensação de estar em um ambiente protetor, não se pode esquecer que existe um mundo inteiro para te acrescentar.”

___________________________________________________________________

“Sempre Amigos”, de Valter Rege. Editora Multifoco, 230 páginas. Encomendas pelo e-mail livrosempreamigos@outlook.com

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.