Homens e mulheres assumidamente bissexuais falam ao iGay como é ter interesse por ambos os sexos, o preconceito da própria comunidade gay e a dificuldade de se relacionar

A sigla LGBT foi criada para abranger lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros. Era de se esperar que cada um ficasse no seu quadrado, respeitando a orientação sexual dos outros. Só que não é bem assim que acontece. Dentro da própria comunidade LGBT, os bissexuais podem ser considerados o "patinho feio". Sua versatilidade muitas vezes é vista como indefinição, e por isso eles têm menos credibilidade e sofrem preconceito dos LGT.

CURTA O IGAY NO FACEBOOK 

Dani Cruz 'Eu gosto de meninas e meninos. Não é porque namoro um que vou trair com o outro'
Arquivo pessoal
Dani Cruz 'Eu gosto de meninas e meninos. Não é porque namoro um que vou trair com o outro'

Mas, afinal, qual é o problema em sentir atração tanto por homens quanto por mulheres? “As pessoas falam que é temporário, que é uma fase, até eu conseguir me decidir. Não entendem que essa é a minha sexualidade", reclama o redator Leonardo Villela Araujo , 25. "Tem homens que se atraem por mulheres, outros por homens, porque eu não posso me atrair pelos dois?”

Tem homens que se atraem por mulheres, outros por homens, porque eu não posso me atrair pelos dois? (Leonardo Araujo)

Leonardo conta que ainda criança, aos 11 anos, ele percebeu que achava graça tanto nos meninos quanto nas meninas. Mesmo tendo tomado consciência de sua bissexualidade muito cedo, só teve qualquer contato com outro homem aos 17 anos. Ele já namorou mulheres e homens e diz que o gênero do parceiro não importa, mas acha mais difícil se relacionar com as mulheres.

“Em primeiro lugar, tem o fato de as mulheres serem muito machistas, o que me incomoda muito. Em segundo vem a insegurança, já que elas pensam que vou trocá-las por um homem a qualquer momento. Quando o relacionamento acaba, a mulher raramente entende que é porque não estou mais interessado nela como pessoa, e não porque ela é mulher”, desabafa.

A dificuldade de compreensão da bissexualidade também causa frustração na publicitária Dani Cruz , 27, que afirma sofrer muito preconceito. “As amigas lésbicas falam que eu sou hétero, só porque hoje eu namoro um homem, o que me ofende bastante. Em contrapartida, os homens héteros acham que, porque sou bi, vou querer trair meu namorado com uma menina, ou que fazemos altos ménages”.

"Os amigos gays vibram quando saio com meninas e riem quando saio com meninos"

Dani afirma que é difícil para quem não é bissexual entender que a bissexualidade não é uma escolha ou algo mutável. ”Eu gosto de meninas e meninos. Não é porque namoro um que vou trair com o outro, não viro hétero quando namoro um homem e nem viro lésbica quando namoro uma menina”, explica ela, que já terminou relacionamentos porque namorados e namoradas disseram “não aguentar a pressão”.

Já a estudante Carolina de Oliveira Tsuda , 23, conta que nunca teve problema com seus relacionamentos e que o preconceito maior vem por parte dos amigos gays. “Tenho muitos amigos gays que vibram quando eu saio com uma menina e que riem quando eu saio com um menino. Eles falam na brincadeira, mas é um tipo de preconceito”. 

Não viro hétero quando namoro um homem e nem viro lésbica quando namoro uma menina (Dani Cruz)

Para Leonardo, parte da confusão acontece porque muitos gays têm um período em que percebem o interesse por pessoas do mesmo sexo e não descartam o interesse pelo sexo oposto, e aí imaginam que se enquadram na categoria bissexual, até perceber sua verdadeira orientação. Ou que simplesmente acham mais simples assumir que são bissexuais.

“Quando jovens, muitos afirmam ser bissexuais como uma ‘estratégia’ para se assumir, ou para se liberar para relações com pessoas do mesmo sexo. Às vezes isso se confirma, mas é preciso lembrar que durante a adolescência toda a questão relacionada ao sexo é confusa, as referências ainda são limitadas. O jovem que está entendendo sua sexualidade pode se sentir atraído por ambos os sexos.”

Dani conta que o mesmo acontece com as meninas. “Eu nunca precisei me aceitar, mas sei que se colocar como bi é uma alternativa para não se assumir completamente. E ok, afinal existe um medo muito grande de se assumir, até pra si mesmo”,  lembra ela. "Esse processo faz com que os bissexuais sofram preconceito. Um monte de gente acha que é uma fase passageira, ou uma falta de tomada de posição."

Leonardo Araujo sobre a reação das mulheres: elas são machistas
Arquivo pessoal
Leonardo Araujo sobre a reação das mulheres: elas são machistas

A falta do pênis 

Outra questão que sempre vem à tona com relação aos bissexuais é o sexo. Será que uma menina bi vai sentir falta do pênis quando transar com outra menina? E que um menino bi vai se satisfazer com uma vagina quando estiver transando com uma mulher? Eles vão ter que ir atrás da compensação do sexo que ficou faltando?

Dani conta que quando está com alguém ela se entrega, e essa pessoa, homem ou mulher, passa então a suprir suas necessidades. “Não acontece de ficar com alguém de um sexo desejando estar com outro. Vale lembrar que várias meninas gays usam vibradores e consolos também. Gostar de penetração não é uma característica só das mulheres bissexuais."

Em relação aos homens bissexuais, Leonardo conta que a maior preocupação das parceiras do sexo feminino é também a penetração. “As meninas pensam: ‘Meu Deus, eu não tenho como fazer sexo com ele! Ele gosta de transar com homens, de ser passivo fazendo sexo anal’”. A menina bi, por sua vez, está envolta em um fetiche masculino. "Quando um cara pega uma menina que fala que é bi, ele já pensa: 'Vou poder transar com duas meninas ao mesmo tempo’", diz Leonardo.

Mas as coisas estão mudando aos poucos, e o trio é esperançoso quanto ao futuro dos bissexuais. “As pessoas têm se aberto para novas experiências. Já é mais socialmente aceito ficar com alguém do mesmo sexo, nem que seja só para experimentar. Antigamente isso era um tabu”, aposta Dani.

Saiba quem são os famosos bissexuais assumidos:



    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.