Mineiro recebeu R$ 6 mil por ofensas a sua orientação sexual numa empresa de congelados

Um cozinheiro gay de Minas Gerais, que não teve a sua indentidade revelada, foi indenizado em R$ 6 mil por causa do assédio moral que sofreu  por conta de sua orientação sexual na empresa Faleiro. A decisão foi tomada pelo Tribunal Superior do Trabalho de Minas Gerais. 

Em ação trabalhista, o cozinheiro afirmou que, devido a sua orientação sexual, era vítima constante de ofensas por parte de um funcionário do almoxarifado. De acordo com uma das testemunhas, o agressor, que era evangélico, não aceitava homossexualidade do colega.

O tratamento descrimitário teria ocorrido diante de outros colegas e estaria registrado pelas câmeras de vigilância.

O cozinheiro disse no processo que o gerente de compras também o tratava de forma discriminatória.

Segundo ele, os chefes não tomaram nenhuma atitude para resolver os abusos. As afirmações foram negadas pela empresa de congelados que o empregava, a Faleiro.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.